sábado, 27 de dezembro de 2008

Capítulo 148

O Ministério dos Blogs alerta: esse blog não está em recesso. Podem ler a vontade!!!!

Capítulo 147

Já contei que o Charles Aznavour não pára de me ligar? Nem atendo mais, cai na caixa-postal e ele canta a cada recado "she" pra mim. Charles querido, deixa disso, vai...

Capítulo 146

E se um dia eu casar?
E se um dia eu casar e tiver a minha própria casa?
E se um dia para acabar com a tranquilidade da casa eu tivesse três lindos (não basta tê-los, eles têm de ser belos) filhos?
E se um dia eu tiver um cachorro que talvez seja o pior cão do mundo?
Ok, a história já existe e é um sucesso. E quando li (yes, I did it) fiquei preocupada. Era uma história real baseada numa coluna de sucesso de um jornal. Perceberam o que faz sucesso no jornal? Falar de cachorros, seus problemas, alegrias. É meio óbvio que continuar escrevendo sobre micro e pequenos empresários, economia não vai me levar a lugar algum, né. O livro rendeu milhões, o filme segue pelo mesmo caminho ( e eu me sinto muito contente por contribuir). Depois de um ano vendo/ lendo filmes que são super tudo, posso dizer que o filme do cachorrinho é fofo. Daqueles que daqui dez anos estará passando na Sessão da Tarde - que existirá pra sempre- e minha pequenininha irá dizer:
- Mamãe, é igual o nosso cachorro, só que o nosso é mais bonzinho, né?
- É, meu bem, porque senão a mamãe tinha acabado com a raça desse cão no primeiro dia, mandado o papai pra longe e ainda teria aquele vida "super legal" de jornalista, mas eu optei por ser uma Grace Kelly, sem a monarquia, claro!

Capítulo 145

Sabe o que é mais engraçado em rever um filme? Descobrir atores que na época que viu você não fazia a menor idéia quem eram e que um dia eles seriam muy famosos. Há oito anos assisti Sabor da Paixão (não é lá essas coisas e é uma mistura só: Penelope Cruz, Salvador,Murilo Benício, todo mundo falando inglês, uaua), mas zapeando pela TV vi o filme e o dei outra chance. Tá, queria ver o inglês do Murilo Benício. Eis que surge a cena dele, "ok, vou reparar e....peraí quem está na cena com ele??". Yeah, Lázaro Ramos e Wagner Moura quando ainda não eram o que são hoje. Meu, esses caras nasceram juntos??? Eles estão sempre juntos, em milhares de filmes, programas de tv, etc, etc...Que medo, tenho certeza que o objetivo deles é o de ser a primeira coisa a ser lembrada quando se pensa na Bahia, sabe aquelas pesquisas: "O Pão de Açúcar é a imagem que vem a cabeça quando se fala em RJ, WM e LR são a BA. Ò... ser ou não ser, eis a questão... o que será mais nobre para o espírito humano.... (cuidado, um dos meus objetivos é escrever os monólogos de hamlet aqui)

sexta-feira, 26 de dezembro de 2008

Capítulo 144

Sexta-feira de plantão, preguicite aguda. Deixo vocês com um texto do Humberto Maia Junior (que prometeu ainda escrever muitos outros textos :P)



Era o amor da vida dela. Tinha certeza disso. Mas nunca tivera coragem de se declarar. Também, ele fazia o maior sucesso no trabalho. Claro que conversava com ele. Diariamente. Havia seis meses. Mas não saía disso. Um dia ela decidiu: quando surgisse a chance, iria agarrá-lo, mas de um jeito para nunca deixar escapar. Até que ele foi à lanchonete pela escada de incêndio. Era tarde, não seria interrompida. Ficou esperando que ele voltasse. Ela ouviu os passos. Ele descia. Passou direto. Ela não disse nada. Ele estava com o dedo no nariz.

quarta-feira, 24 de dezembro de 2008

Capítulo 143

What if you made different choices?

What if you said yes instead of no?

What if you got a second chance?
.................................................

Feliz Natal!!!

sábado, 20 de dezembro de 2008

Capítulo 142

Partindo do fato de Portugal somente ter assinado o novo acordo da língua portuguesa e nada de marcar uma data pra que entre em vigor, isso tudo é bem bizarro. Alguém acredita mesmo que mudar as regras gramaticais irá estreitar os laços Brasil-Portugal? Não honey, não vai. Há mais de um oceano que nos separam e não é a queda de um hífen que irá nos juntar. O pior de tudo é que as regras não tem pé nem cabeça. Quem teve a idéia ridícula de tirar o acento da ideia? E aqueles itens que terminam com "etc"??? Onde já se viu o item de uma regra terminar com etc??? Meu, não sabe o que mudar, não muda. Não tem argumentos suficientes para sustentar essa mudança, não faça nada. Também não invente nada pior. O mais "legal" é que a partir de 1º de janeiro terei um cuidado triplicado ao escrever (é, às vezes nem parece que eu me preocupo). Não quero me tornar uma velhinha resistente as mudanças que no final de sua vida ainda terá uma "idéia", (Agora eu entendo os velhinhos da minha infância que escreviam pharmácia, pobrezinhos) é essencial se transformar, desde que faça sentido. Se eles quisessem mesmo facilitar a vida de todos, eles deveriam era excluir a crase de uma vez por todas. O mundo seria tão melhor sem ela. Fica aí minha sugestão. Diante disso, há como negar que tudo (coisas, pessoas) com alguma relação com Portugal são complicadas e muy confusas? Ora pois....

Capítulo 141

Lembro que na faculdade fiz um trabalho em grupo já sei mais ao certo sobre o que que era, mas falamos na apresentação sobre a necessidade que o homem tem de um herói, um exemplo e assim, canalizar nele todas as suas expectativas. Seria um meio, ne verdade, para que se algo saísse fora do esperado, a culpa não ser da pessoa, mas do ídolo em questão. Bom, o trabalho era bem mais complexo do que isso e devem ter outros detalhes que possivelmente me esqueci. Mas tudo isso era só pra dizer que como é fundamental termos alguns modelos. Quando o tema é relacionamento então, desde muito cedo temos uma infinidade de casais que irão nos inspirar. Nos contos de fada minha história preferida era (e ainda é) A bela e a fera - Esses contos parecem que são pra criança, mas a lição é para os adultos. Ou talvez, seja mesmo para as crianças, para que aprendam enquanto são pequenos e não façam tantas bobagens quando forem gente grande. - bom, o grande lance e simples é gostar da pessoa pelo que ela é, independentemente do que ela tenha ou de sua aparência.Depois vieram os casais fofos de seriado: kevin e winnie; brenda e dylan; kelly e brandon e, uma dúvida eterna, por que eles não acabaram juntos? Ah, tiveram também os casais da vida real. Primeiro, Tom Cruise e Nicole Kidman. Separados. Segundo, Brad Pitt e Jennifer Aniston. Separados. - A minha sorte atinge até aqueles pelos quais eu torço - Apesar do histórico, não deixei de ter um casal preferido. O do momento é Seal e Heidi Klum. Não sei qual o critério para eleger um, acho que meio que olho, vejo que combinam, eles parecem se gostar de verdade (tem tanta enganação por aí) e pronto!! Lá estou eu adorando aquele casal. Ok, não se preocupem, não sou tão pé frio assim. Também adoro Celine Dion (ah, todo mundo tem um ladinho meio brega e o meu é bem fofo, heheh) e o seu Reneé, tão incrível um homem hipotecar a própria casa para apostar na carreira profissional de uma mulher, que até então, nada era dele.

sexta-feira, 19 de dezembro de 2008

Capítulo 140

Lembrei de mais um título ótimo - Capítulo 138 (nada como abrir a geladeira pra pensar na vida)que certamente teria a minha autoria: Drama queen - você pode ser uma (mentira, é um dom, mas acreditar é o começo de tudo) - Parei por hoje, sério mesmo.

Capítulo 139

A madrugada é tão inspiradora, né.... Não consigo parar de escrever

Capítulo 138

Já notaram como qualquer coisa pode virar um livro hoje em dia?? E o mais fantástico (no sentido mais irônico da palavra, por favor) você não precisa ser especialista em merdinha nenhuma pra dizer várias merdinhas que vão vender. E muito. Fez uma viagem para a China? Isso é incrível, a China está todo dia nas manchetes, escreva sobre as diferenças culturais, o que viu por lá, mesmo que pouco importe a uma pessoa que aqui mora. Você leu a obra de Machado quando estava no colegial e agora acha que é um especialista sobre o autor? Faça um livro dedicado à ele. Curtiu muito sua adolescência e saiu por aí adoidado? Meu bem, faça um guia com as melhores baladas de todos os tempos. (São sempre as mesmas, nos mesmos lugares, elas só mudam de nome, ninguém percebe isso?). Realizações pessoais também rendem um bom dinheiro às editoras. Conte para o grande público como enriquecer, o que uma mulher inteligente deve saber (vamos combinar que se ela fosse mesmo inteligente ela já saberia, né) e por aí vai (não vou nem mencionar Paulo Coelho, ops, já o fiz, vocês sabem...).....Quando penso em como as livrarias estão tomadas desses temas, de como eles vendem, não consigo imaginar que eu também poderia faturar uns trocadinhos com essa fase. Sério mesmo. Vi, revi, ainda vejo os episódios de Friends, poderia escrever sobre; ou então "os bastidores do jornal que você lê todos os dias" (acho que não seria muito legal, porque muito provavelmente eu seria mandada embora, hehehe); como conquistar um homem (só garantimos a conquista, o resto é com você, honey), como sobreviver as micaretas (aí teria de inventar bastante, porque até hoje não sei como isso foi possível); há uma infinidade de assuntos que podem virar livros que qualquer um pode escrever, ganhar e eu aqui escrevendo de graça. Mas o prazer que eu sinto aqui no blog, com os comentários de vocês, etc, dinheiro nenhum nesse mundo paga. Ahh, lembrei de outro: Frases de efeito - tenha sempre uma a mão - você irá precisar.

Capítulo 137

Às vezes, temos de dar o braço a torcer mesmo.
Há 10 anos eu odiava N´sync (ainda não gosto, thank God, they´re gone) e nada mais natural de uma fã dos BSB (a vida era tão mais inocente quanto BSB era só Backstreet Boys e não Brasília). Mas como dizem, nada como o tempo para mostrar quem as pessoas realmente são. Infelizmente, confesso, os meus queridos do Bsb se perderam no meio do caminho. O que sobrou da safra masculina pop de 10 anos atrás?? Mister Timberlake. Simm, o vocalista cabelo de pipoca do N´sync, namorado da Britney é o fruto bom daquele tempo. Há um tempo me rendi ao som do Justin, bem melhor do que no passado, claro, mas o garoto é talentoso e manda bem, quem diria, né? what goes around ..comes around!!

Capítulo 136

Quando não faz click, esqueça, é, esqueça mesmo, porque não adianta.
Dar uma, duas, três, e mais algumas chances é perca de tempo.
E o bom, é que com a experiência você sempre sabe que é melhor ir embora quando não dará certo.

segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

Capítulo 135

Se alguém perguntar por mim, diz que fui por aí...

sexta-feira, 12 de dezembro de 2008

Capítulo 134

E assim surgem vestidos da sorte (Parte 1)

- Forma de pagamento?
- Cartão.

Se bem que você nem sabe se deveria levar mesmo. Qual a chance dele se juntar aos outros no seu guarda-roupa e ser mais um? Mas já que vai levar, leva no cartão, sempre no cartão. Não dá uma sensação que você não gastou pagando com cartão? A intenção de quem criou deve ser essa mesma. É ótima, funciona, adoro!! Mas cadê o bendito cartão? Revire sua bolsa mais bagunçada que quarto de adolescente, não, ele não está perdido por lá. Ah, deve estar na carteira mesmo. Aí acontece aquela cena suuuper chata: 1- A atendente acha que você experimentou a loja inteira e na hora de pagar vai dar um golpe ou 2 - A atendente que mesmo fazer a venda e te ajudar a encontrar o cartão. Detalhe: na sua carteira.

- Não é esse aí?
- Não, esse é o de crédito.
- E aquele ali?
- Moça, esse é da farmácia. (Por que raios eu tenho um cartão da farmácia)
- O debaixo?
- Nãoooo, esse é crachá do jornal. Ah, olha a minha foto, a melhor 3x4 do mundo. (Muito orgulho dessa foto, ficou realmente óoootema)

Pensa, pensa, qual foi a última vez que você viu seu cartão? Hummmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm..... na padaria. Merda, ficou lá. Corre até a padaria.

- Oi moça, tudo bem, eu esqueci meu cartão aqui e tipo assim eu queria ele de volta.

A atendente te olha com uma cara "ganho mal e ainda tenho que aturar gente avoada" :

- Qual o seu nome?

(Como assim qual o meu nome?? Quantas pessoas esquecem o cartão numa manhã qualquer na padaria?)

- Juliana. Portugal. Juliana Portugal. Juliana Portugal. (Adoro meu nome, tão sonoro: And the Oscar goes to Juliana Portugal)

- Tá aqui ôo. - (Odeio esse ôoooo)

- Ué, você vai me dar o cartão assim mesmo, sem pedir um documento, sem saber se sou eu mesma? (Eu tenho muita credibilidade mesmo, hein. Exemplo: Oi Brad, sou a Angelina Jolie!! Será que funciona??)

- Nao é seu?

- É.

- Tenha um bom dia

(Groooooooooooossa. Nunca mais volto nessa padaria. Porque eu só esqueci meu cartão pelo péssimo sistema de pagamento que tem lá. Onde já se viu pagar no fundo da padaria, e na saída tem que entregar comanda, comprovante de pagamento, tudo, é demais, né)

Volta pra loja. Paga o vestido, aquele que você nem tinha muita certeza que levaria. Pronto. É o meu vestido da sorte.


Como suas preocupações são ignoradas pelos demais (Parte 2)


Chega no trabalho, conta toda a sua aventura com o cartão e acrescenta sua preocupação:

- Meu, já pensou se clonaram meu cartão?
- É mesmo, porque os donos de padaria têm a máquina de clonar.
- Jura??
- Claro que não, né.

(Droga, acreditei). Mas será mesmo que meu cartão saiu dessa ileso??

- E se alguém gastou meu dinheiro? (Preocupação de gente que dá tchau de mão fechada. Esses têm um grande futuro: ficarão ricos) É melhor eu tirar um extrato.

- Pra usar seu cartão eles iam precisar da sua senha e como eles saberiam?

- Oras, tentando.

- Na terceira tentativa bloqueia.

Humf, e se eles conseguiram antes? Ai, tranquilidade só depois de ver o extrato.

Capítulo 133

Nada mais agradável que trabalhar com uma TV, na sua direção, sintonizada na novela que tem a maravilhosa presença de Rodrigo Santoro. Ai, ai........

terça-feira, 9 de dezembro de 2008

Capítulo 132

Everybody hates Juli.
Juli hates (almost) everybody.

Capítulo 131

Suri pode se lambuzar de chocolate, fazer uma dúzia de caretas (ôoo menininha linda); podem descobrir mais uma centena de pessoas embarcando/desembarcando com altas quantias de dinheiro escondidas pelo corpo, mas a grande notícia de hoje é o Ronalducho, ops, Ronaldo no Corinthians. Não importa se ele curte modelos, travecos, se vai se encantar com um pagodinho no Tatuapé, se está acima do peso (e está, Geováa, como está); fazendo gol, nada disso importa. Humm.. artilheiro de Copa do Mundo, hehehe, "tamo" bem, hein!!!!

segunda-feira, 8 de dezembro de 2008

Capítulo 130

Tenho grandes problemas com finais que não tenham a famosa frase " e foram felizes para sempre". Lembro que o primeiro dessa série que eu vi foi em Anos Incríveis. Depois de passar boa parte da minha infância vibrando com as histórias de Kevin Arnold, fiquei perplexa quando cada um seguiu o seu caminho, em direções bem contrárias. Fiquei tão decepcionada, mais tão descrente de um final feliz que não tinha vontade de assistir mais nada - e olha que eu amo tv. Lembro que minha prima até inventou que a tv não tinha passado o último capítulo, aquele que eu vira era o antepenúltimo, pois no último sim, eles ficavam juntos. Fingi que acreditei, mas no fundo sabia que aquilo não tinha nada de verdade. O tempo passou e eu continuo achando o seriado um dos mais geniais que eu já vi. E apesar de ainda torcer por um "happy end", tenho certeza que o final foi um dos melhores: realista.

Capítulo 129

Pizza é igual chocolate: não há como parar de comer enquanto ainda houver um na caixa.

sexta-feira, 5 de dezembro de 2008

Capítulo 128

E depois dizem que o Rubinho não é pé frio. Pobre Honda, pobre Senna, pobre di Grassi.

Capítulo 127

Genial a idéia de colocar o número do ônibus no vidro traseiro. Sério mesmo. Os dias de corrida atrás do 'busão' (que palavra feia, hein) errado ficaram no passado.

quinta-feira, 4 de dezembro de 2008

Capítulo 126

Pra que casar, não é mesmo? O IBGE hoje apresentou dados que só comprovam que cada vez mais as pessoas se separam, um aumento de 200% em 23 anos, não é incrível? O pior, o número de pessoas que se casam também é grande. Conclusão: aquela velha história, quem está dentro quer sair, quem está fora quer entrar. Agora, você gasta uma bolada com vestido, bolo, igreja, convites, comida, bebidas, casa, reformas, etc, etc, para um dia todo esse "investimento" virar uma estatística. Não, obrigada. É preferível manter distância do altar.

quarta-feira, 3 de dezembro de 2008

Capítulo 125

Como um detalhe muda todo o rumo de uma conversa:

Me - .... aquela, na mesa do canto..

He - com um cara?

Me- O que é gay? É, ela mesma.

He - Ele não é gay.

Me - Ahahahha, lógico que é. Está na cara.

He - Ele é casado, tem até filho.

Me - Nãoooooooooooooooooooooooooo. Então, ele está louco a procura da maçaneta para sair do armário.

He - A gente vai passar por eles, repara na aliança dele.

He - Viu?

Me - Vi, e você viu também que ele faz as sobrancelhas?

He - Ahahahah, não. Olho de lince.

terça-feira, 2 de dezembro de 2008

Capítulo 124

Drummond, sempre tão bonitinho.

O amor antigo

O amor antigo vive de si mesmo,
não de cultivo alheio ou de presença.
Nada exige nem pede. Nada espera,
mas do destino vão nega a sentença.

O amor antigo tem raízes fundas,
feitas de sofrimento e beleza.
Por aquelas mergulha no infinito,
e por estas suplanta a natureza.

Se em toda parte o tempo desmorona
aquilo que foi grande e deslumbrante,
o antigo amor, porém, nunca fenece
e a cada dia surge mais amante.

Mais ardente, mas pobre de esperança.
Mais triste? Não. Ele venceu a dor,
e resplandece no seu canto obscuro,
tanto mais velho quanto mais amor.

Capítulo 123

Momentos como este, em que esquecer uma palavra, podem criar muita confusão. Ou proporcionar muitas risadas.
Mulheres discutindo sobre qual a melhor posição para se dormir. Irmã-quase-fisioterapeuta espera todo mundo contar a maneira que dorme, como se sente ao acordar, para dizer:

- O jeito certo é: de lado com um negócio entre as pernas.

Instantâneo. Olho pra ela com uma cara tipo "saca a besteira que vc falou?". Sim, ela percebeu, mas era tarde e eu não podia perder a piada:

- Que tipo de negócio? AHahaahhaha
- tsc, o negócio........- e a palavra não vem, você está achando tudo super engraçado, até a tia arrumar a situação:

- É melhor dormir com um travesseiro entre pernas, se colocar um negócio aí que ninguém dorme mesmo.

Capítulo 122

A necessidade de mudança aparece assim, do nada. Ou então, vem há tempos, mas só em determinado momento aparece mais viva. Juro que só ia limpar o vidro do meu quarto (super precisava, coitadinho), mas foi só dobrar a cortina, tirar tudo da cama, aquela olhada geral no quarto e pronto: vou mudar tudo de lugar. Livros pra lá, bonecas (não, eu sou criança, mas não tenho onde guardá-las), enfeites pro outro lado, um monte de coisas pro lixo. Ficou parecendo novo. E ainda estava limpo, heheh, eu tenho meus momentos 'Amélia'. Dia seguinte. Ainda não satisfeita, acreditava que precisava de mais mudanças. Óbvio que sobrou pro meu cabelo. Sempre sobra, mas ficou bom, juro que ficou. O faniquito por mudança continua, com menos opções agora. Vou esperar mudar de ano, talvez passe.

quarta-feira, 26 de novembro de 2008

Capítulo 121

Vicky Cristina Barcelona - Sabe aqueles filmes com uma grande história, que em determinado momento há uma transformação na vida dos personagens e nunca mais eles são os mesmos?? Não é este o caso desta película. Woody Allen dispensa comentários, é bom até quando é ruim (nunca achei nada ruim, mas há controvérsias). VCB é um filme tão fácil de se identificar. Começo, o grande acontecimento da história e os personagens não se tranformam em pessoas diferentes da que começaram por causa disso. Eles continuam os mesmos, com uma bagagem cheia de experiências, mas ainda são os mesmos. Nenhuma mudança radical no estilo de vida, cabelo, profissão, gostos, nada. Igual na vida, é impossível mudar tão drasticamente, mas é tão mais possível acumular experiência e viver bem com elas. Recomendo pra todas aquelas pessoas que colocam frases no msn do tipo "eu vejo um novo começo de era", "vida nova", e etc, etc, etc; para quem quiser suspirar com a beleza (em todos os sentidos) de Javier. Hummm.. tá, hay las chicas Scarlet e Penelope.

sexta-feira, 21 de novembro de 2008

Capítulo 120

A velha lanchonete de sempre. Mesa lotada. Todo mundo rindo, bebendo, aquela alegria, parece um comercial de cerveja. Chega a garçonete. Ela coloca um chocolate gelado na mesa. Todos param, olham para aquele copo, se entreolham e uma única dúvida "quem foi que a essa hora da madrugada pediu um chocolate?" .

- Quem pediu isso? - perguntou a Pulis (que tem um Q, R, S, Tudo de Phoebe)
- Você.
-Eu????????????????

Comentários, risadas, todo mundo zoa a Pulis.
- Moça, eu não pedi isso.
- Pediu sim, você foi até o balcão e disse "Eu quero um Nescau".
- Não, eu fui até o balcão e disse "Eu quero uma Skol"

O Nescau ficou, já estava ali mesmo, não é? E estava bom, muito bom.

Capítulo 119

Bem que dizem que os três primeiros meses são os melhores de uma relação. Depois, ah, depois a gente sabe o que acontece, né. Dessa vez foi o banco. Tudo começou quando eles 'esqueceram' de mandar a fatura do cartão. Até tudo bem, minha memória é ótima, eu sei o dia de vencimento, fui lá e paguei. Bom, minha memória é ótima mas eu não sou nenhum robô para me lembrar de todas as senhas desse mundo. Já sei de um cartão, saber a senha de dois é demais, né. Vou até a agência com a maior boa vontade, explico toda a situação, reclamo que se o banco me mandasse uma folhinha só com a fatura do meu cartão ele não seria menos sustentável (os bancos são tão preocupados com isso, ai ai). Depois de duzentas tecladas, ela descobriu o problema.
- Seu cartão está no débito automático.
- Você tá de brincadeira, né? !! Eu jamais faria essa opção - (Nunca, jamais, em tempo algum) - Eu paguei no mês passado, não teve débito nenhum.
- Mas tá aqui...
- Então tira daí. Moça, eu só quero pagar a conta.

Geováaaa, é tão difícil assim?? Eu tento muuuito ser uma boa cidadã, muito, do fundo do meu coração, mas essas pessoas tão espertas que trabalham em bancos não permitem. A conta venceu. Não foi paga. Assim que lembrar a senha, eu juro que pago.

quinta-feira, 20 de novembro de 2008

Capítulo 118

Um dia você percebe que seus pais não se importam mais tanto com você. Meia-noite, você está fora de casa, não tem carro, depende do transporte público e eles nem ao mesmo ligaram para saber onde você está. Poxa, não é possível que eles se contentem só com a outra filha, afinal, você é a artista da família, ehheheheh. 00:08 celular toca. Sabia que eles não me esqueceriam assim tão facilmente. Não era nenhum dos dois. Era a caçula. Oi, tudo bem, onde você está..

- Foi a mãe que mandou vc ligar?

- Não.

- Ah, foi o pai?

-Não. Eles já foram dormir há séculos.

Como os meus pais dormem mais tranquilamente hoje em dia do que há dez anos?? Se eles soubessem que eu faço mais besteiras agora, hahhhhah....

- Ué, quem foi que mandou vc ligar então?

- Liguei porque tá tarde, vc não avisa onde tá, vc bem é foda. Volta com alguém aí, não vem de ônibus sozinha e toma cuidado.

Meu Deus, minha irmã virou minha mãe. Mas peraí, preocupação de irmã mais nova?? Ela tá querendo meu quarto, que é maior e melhor, só pode ser isso. Poxa, mas ela se importou de verdade comigo, eu senti o tom da voz dela. Olha, até daria meu quarto pra ela .............

Lí, se vc ler isso, saiba que foi uma pegadinha, hahahhaha, jamais te daria meu quarto, mas o meu amor por vc é de verdade!!!

Capítulo 117

A mesma lanchonete de sempre. A mesma dúvida cruel de sempre na hora de fazer o pedido. Momento em que todos tornam-se muito sociáveis e questionam o que cada um vai comer e beber.
- E aí Jubs, que vai pedir?
Duas horas olhando o cardápio.

- O mesmo lanche de sempre e uma cerveja.

- Não, olha esse lanche aqui, deve ser bom, do que será que é?

- Ahh, pergunta pro Ratatouille (nosso garçon exclusivo, hahah)

Ela pergunta e ele prontamente responde:

- Não, isso não é lanche. É só uma figura ilustrativa.

Você ri muito, muito, muito, a lanchonete inteira descobre que vocês estão ali e sua amiga tem um ponto de interrogação na cara.

- Figura ilustrativa?

- É, o lanche não vai sair assim não, aqui nunca. Eles dão uma melhorada na foto, sabe como é? A gente não tem esse pão.....

- Tá, tá bom, traz o lanche de sempre.

Simples, o tradicional nunca sai de moda e sempre vem igual.

quarta-feira, 19 de novembro de 2008

Capítulo 116

Por que demoramos tanto pra fazer algo que um tempo depois parecerá tão óbvio que é o que já deveríamos ter feito? Será aquela mania de achar que se dá pra fazer depois por que fazer agora? Tudo bem quando trata-se da limpeza do quarto, terminar de escrever uma matéria, pagar uma conta ou retomar uma monografia, mas adiar algo que traz uma boa sensação não faz muito sentido. Ainda bem que sempre é tempo e que tudo acontece na hora certa.

quinta-feira, 13 de novembro de 2008

Capítulo 115

Sempre que estamos numa conversa mais 'interessante' com alguém no msn, aparece um engraçadinho do seu lado que não contente em ler um pedaço do bate-papo ainda faz gracinhas:

- Hummm, conversando com o 'fulano' !!!! (Bemmmmm alto)
-Shiiiiiuuuuu.. fala baixo.
- Por que ele tá aqui? (Olhando pra todos os lados, dando a maior bandeira)
- Não, mas não é um nome comum, as pessoas sabem......
-Entendi...

Você pensa que tudo está sob controle, que já pode voltar pro msn, quando:

- Ahhhhhhh, não existe só um 'fulano' no mundo (Alto, alto, bemmm alto)

terça-feira, 11 de novembro de 2008

Capítulo 114

"Não precisa tirar as crianças da sala para assistir aos curtas, mas convém tirar o marido: o apresentador é o Rodrigo Santoro." Ahaahaha, muito engraçadinha a propaganda da AXN. Concordo, pelo Rodrigo Santoro vale tirar o marido, as crianças, arrastar o sofá pra lá e por aí vai.....

Capítulo 113

O cep continua o mesmo, 90210, mas o conteúdo, quanta diferença. Por que as séries pra 'jovens" só têm gente magra? Bom, magra sou eu, elas são todas anoréxicas, com boas roupas, cabelos de comercial de xampu (nada contra, eles são lindos e o efeito na tv é ótimo), com preocupações tão, mas tão fúteis que a única que eu consigo pensar é "humf, coitada". Quem é o ser que escreve esses diálogos?? Fiquei tão entusiasmada com a volta de Barrados no Baile, mas depois de assistir aos dois primeiros episódios percebi que jamais seria igual ao que foi. E não adianta ressuscitar antigos personagens se eles forem o elenco de apoio. Vi duas horas, sentadinha, sem mudar de canal (muuuuito raro, não faço isso nem vendo filme) e quando acabou eu só pensava "Cadê os Walsh???"

Capítulo 112

Homens, homens.... me esforço tanto para entendê-los. Tenho os achado bem mais complicados que as mulheres... Meu Deus, onde estão os homens decididos, práticos??? Afffff..... o que está acontecendo? Só peço um que se salve, um único ser e nem precisa ser do meu top 5 porque aí sim seria pedir demais!!!

domingo, 9 de novembro de 2008

Capítulo 111

"A minha maneira de brincar é dizer a verdade. É a brincadeira mais divertida do mundo" (B.S.)

quinta-feira, 6 de novembro de 2008

Capítulo 110

Dentre tantas manias estranhas que os homens têm, há uma que um pouco me incomoda, andar com fotos 3x4 na carteira. Geralmente são de filhas, namorada, esposa, mãe e até a irmã. Por que? Várias vezes já me deparei com a situação "ah, sua filha deve ser uma graça, né" e a pessoa rapidamente saca da carteira um mini book, com diversas 3x4. Vejo pela carteira do meu pai, tem mais foto lá do que dinheiro. Eu digo pra ele que um dia ele vai ter que deixar os cartões do banco em casa para não abrir mão de andar com as fotos do clã Portugal por aí (tá certo que a genética contribuiu, hahhahaah)Mas por que andar com fotos?? E não é mania de gerações mais antigas, tenho muitos amigos da minha idade que fazem isso. Ah, quero minha foto 3x4 em outra carteira que não seja a do meu papis. Poxa, tenho umas 3x4 muito boas, hahhahahah. Da próxima vez que eu for namorar já posso até imaginar como será:
- quer namorar comigo?
- só se você colocar minha foto 3x4 na sua carteira. e só a minha.

Capítulo 109

Se conseguir entrar no metrô de manhã já é uma missão impossível, que dirá um lugarzinho para se sentar. Depois de um bando de gente descer na Sé, e incrivelmente o vagão continuar lotado, você vê dois lugares, sendo que um deles é um banco cinza, e já que seu amigo sentou no outro, é o que sobrou pra você. Nenhum idoso, nem deficiente, nem grávida ou mulheres com criança de colo, você senta com a consciência tranqüila.
- Parece que todo mundo fica está olhando pra saber qual a minha condição de sentar aqui.
- Relaxa.
- Ah, tudo bem, qualquer coisa eu tô grávida.
- Ahahhahah, com essa barriga aí não dá nem pra falar que você tá com um mês.
- Ué, e se eu tivesse grávida de verdade, não ia poder sentar nesta porcaria de banco?
- Juliana, até lá você não vai mais andar de metrô. Pensa: glamour, glamour, glamour!!!

quarta-feira, 5 de novembro de 2008

Capítulo 108

Obama, precisando de uma segunda-dama, é só ligar!!!! Yes, we can!!!

terça-feira, 4 de novembro de 2008

Capítulo 107

Morar na maior cidade do Brasil tem as suas desvantagens. Uma em especial muito, muito, mas muito me incomoda: a sinalização. Ou a falta dela. Por exemplo, uma ida ao parque Villa Lobos, simples, você sabe que é no comecinho na marginal Pinheiros, não há como se perder. E outra, um dos parques mais conhecidos de SP, não é possível que não tenha uma mísera placa. Diante de tantas impossibilidades de se perder no caminho, você aumenta o som, vai cantando alto com a sua amiga, falando sobre a vida, como o trânsito está ótimo,que poderíamos ter saído mais tarde, e quando você percebe está passando pela estação Vila Olímpia.
- Mari, acho que a gente se perdeu...
- Também tô achando o próximo bairro já é Morumbi....

Retorno, que pra ajudar não cai direto na Marginal - quem foi o burro que construiu essa porcaria?? - anda sei lá mais quanto até conseguir voltar pro sentido certo. E nenhuma placa do parque. Três paradas em postos de gasolina para ter certeza que não tínhamos passado dessa vez e a mesma informação "depois do shopping à direita". Jeováaaa, onde fica esse shopping?? Poxa, shopping é grande, é chamativo, impossível não termos visto.
- Mari, acho que esse shopping não existe, deve ser tipo aqueles da Paulista, tem duas lojas e meia dúzia de restaurante e o povo chama de shopping.
- Ah, é aqui, olha!!

Fala sério, o shopping é coberto por uma mini floresta, metade das árvores de São Paulo estão na frente do shopping, é óbvio que a gente não ia ver. Nenhuma placa, nenhuma, nenhuma!!!! Na volta pra casa, passando pelo shopping Tatuapé pensei no seguinte, duvido que alguém que tenha que ir até o shopping Tatuapé se perca, você o vê logo que pisa na radial. Tá bom, é exagero, mas bem antes de chegar você o vê. Muito mal rabiscada esta cidade, viu.

sexta-feira, 31 de outubro de 2008

Capítulo 106

Despedida, daquele tipo que só deixa saudades....

quarta-feira, 29 de outubro de 2008

Capítulo 105

Recuperada do plantão do final de semana. Para vocês terem uma pequena noção do quão produtivo foi o trabalho no domingo, coloco aqui partes do que escrevi, enquanto esperava durantes horas que algo acontecesse.

Top 5 - Com os lugares que eu poderia estar neste momento (domingo, 26/10, 8h da manhã)

1- Minha cama
2- Minha cama
3- Minha cama
4- O sofá lá de casa
5- Na piscina

Top 5 - Seriados que eu amo

1- Friends
2- Barrados no baile
3- Sex and the city
4- Desperate Housewives
5- Anos Incríveis

Top 5 - Lugares que adoraria ir no réveillon

1- Fernando de Noronha
2- Cidade de los Cabos
3- Paris
4- Nova Yorque
5- Barcelona


Top 5 - Histórias com princesas

1- Pequena Sereia
2- Bela Adormecida
3- Rapunzel
4- Cinderela
5- Shrek (no começo ela era, vai)


Top 5 - Ficaria muito feliz se no almoço tivesse

1- Camarão
2- Feijoada
3- Lasagna
4- Macarrão
5- Arroz, feijão, bife e batata frita

Top 5 - Casava fácil, fácil

1- Mark Ruffalo
2- Rodrigo Santoro
3- Johnny Depp
4- Orlando Bloom
5- Patrick Dempsey

domingo, 26 de outubro de 2008

Capítulo 104

Timão de volta a séria A e ainda no mesmo dia o palmeiras perde de 3x0!!! Realmente, eu posso sentir, tudo está voltando ao normal!!!! Graças!!!

sexta-feira, 24 de outubro de 2008

Capítulo 103

Encontrar ex-namorado é aquela coisa. Ex é passado, mas se ainda está no presente chamamos de amigo. Simples na teoria, muy difícil na prática. Bar, alguns chopes e mais a indispensável porção de batata frita. Até aí tudo fácil, você até se convence que viraram somente bons amigos e nada mais. No entanto, essa situação passa longe de nós. Um casal como nós não acaba num bar, toma um chop e simplesmente ignora todos os sinais. E talvez o garçom também percebeu que havia algo entre a gente, não apenas por ver na mesa um homem e uma mulher e logo deduzir que trata-se de um casal. O caricaturista também percebeu e ele simpatizou muito com a gente, puxou uma cadeira, sentou na nossa mesa disposto a convencer o casal (ishi, ele errou também) pão duro (aí ele acertou) a fazer uma caricatura. Mas ele apareceu bem no meio daquela conversa "e o que teria sido.....". Vi o desapontamento dele quando descobriu que havia se enganado. Me ocorreu naquela hora que talvez sejamos nós que nos enganamos. É sim, porque talvez todas as coincidências que nos cercam não sejam somente coincidências. Talvez faltem palavras para explicar a situação. Talvez os mil quilômetros que nos separam não tenham sido suficientes para nos distanciar de fato. Talvez somos como o casal de filme romântico que desde a primeira cena todos sabem que eles ficarão juntos no final, mas eles mesmos só percebem isso minutos antes da película terminar. Talvez as nossas despedidas sejam sempre um 'até logo', em que não cabe um adeus.Talvez o talvez fique para trás e abra espaço para uma certeza. Talvez o nosso tempo não tenha acabado e quem sabe se realmente terá um fim? Talvez tudo isso seja uma grande viagem da minha cabecinha maluca, mas talvez você também tenha pensado nisso. Talvez...

quarta-feira, 22 de outubro de 2008

Capítulo 102

Faz um tempão que eu estava pra escrever esse post, no final vocês entenderam o porque da demora.
Minha prima ter escrito isso no blog dela (http://parecrit.blogspot.com/) me incentivou a colocar aqui também.
Bom, a história é a seguinte: quando eu era pequena (quando começa assim é bom, continua a ler, vai) tinha um muro na rua de cima da casa da minha vó com os seguintes dizeres: Lalá ficou lelé porque Lili deu o loló para Lulu.) Agora, imaginem vocês, eu desde sempre super xereta, curiosa, adorava ler em alto e bom som tudo que via pela frente só pra mostrar que já sabia ler. Não sei nem contar quantas vezes eu li aquilo, mas eu achava o máximo, mesmo não tendo a menor idéia do que realmente aquilo queria dizer. É, porque na mais doce inocência, eu acreditava que o loló era aquele chocolate, o atual milkbar!! É, o tempo passa e você descobre que não era isso. Vinte anos depois (cruzes, como o tempo passa), o muro não está mais lá, mas sempre que passo por ali, eu penso naquele poeminha!!!

sexta-feira, 17 de outubro de 2008

Capítulo 101

Comprei um cd, aliás, um não, dois. Pode parecer uma bobagem, mas fazia muito tempo, mais de dois anos que eu não gastava um centavo com cds. A facilidade de baixar músicas me atingiu em cheio nos últimos tempos. Já tinha esquecido o quão legal é desembrulhar a capinha e querer escutar todas as músicas de uma só vez. Ouvindo um dos cds (zeca baleiro) uma das faixas chamou a atenção, sabe aquelas canções que você gostaria de ter escrito e cantado em alto e bom som por aí e repeta assim que ela acaba?? Por alguns instantes, achei (não que depois disso não ache mais) que zeca baleiro era muito melhor do eu pensava. Mas só por um breve momento. Fui conferir no encarte a autoria da música. Não era Zeca Baleiro. Era Roberto e Erasmo Carlos. Ainda bem que o que é bom fica pra sempre. E ainda bem também que ouvi do cd, senão eu não descobriria.

quarta-feira, 15 de outubro de 2008

Capítulo 100

Centésimo post!!!! Mesmo não sendo blogueira de primeira viagem, não esperava chegar tão longe!! Mas vamos aos agradecimentos: Minha mãe e meu pai por não usarem computador e consequentemente nunca lerem meu blog, dando total liberdade pra eu escrever o que quiser, sem que eu me sinta constrangida, afinal, não importa quem são seus pais, pai e mãe é sempre pai e mãe. Queria agradecer também a todos os meus amigos que comentam e em muito contribuem com as histórias publicadas aqui. E também dizer que super influenciada por este período eleitoral e pelo som de Shiny happy people (alguém quer ir ao show do rem comigo???) que eu espero e farei o meu melhor para que haja mais 100, 200, mil capítulos!!!!! Pra terminar, um beijo pra minha mãe, pro meu pai, pra minha irmã que chama Lívia e um especial pra vc, Xuxa e pra Sasha também. (Treinei durante anos pra dizer isso no xou do xuxa, não podia perder a chance de falar uma bobagem dessas, rssss, claro que ao vivo é bem mais graciosa!!)
Valew, beijo, me liga!!

Capítulo 99

Esta semana, uma amiga chegou para a aula no horário, fato raro levando em consideração que é dia do rodízio do carro dela. A explicação foi simples, o namorado havia emprestado o carro dele e como ela mesma disse "foi a maior prova de amor". A questão nem é que tipo de motorista você é, mas sim pelo carro ser um dos símbolos mais fortes do universo masculino, o brinquedo preferido de longa data, e colocá-lo em mãos femininas não deve ser muito fácil para eles. Fiquei pensando se fosse eu no lugar da minha amiga. Provavelmente teria chegado atrasada. Não sei se algum dia um namorado me emprestaria seu carro, meu histórico com multas é um dos piores possíveis, sabe aquelas que não vê a hora de zerar os pontos da carteira? Prazer, sou eu. Não que eu me orgulhe disso (um pouquinho, no fundo, vai) mas poderia justificar multa por multa e provar que eu tinha razão. Um ponto positivo que faria com que eu conseguisse a chave emprestada é que eu nunca bati o carro. Bater, bater, não. Arranhãozinho de leve, não conta né?

Capítulo 98

Pouco mais de uma semana pro segundo turno. Nenhuma idéia de quem levará meu voto. Candidatos tão diferentes, mas se você chegar um pouquinho mais perto, verá que são tão iguais. Pior de tudo: votei com a maior convicção no primeiro turno, de fazer inveja, mas no segundo turno, é a sina, me transformo na indecisão em pessoa. Ahh, invejinha dos cariocas, se fosse lá eu saberia em quem votar, sem titubear. Na boa, por que Caetano não apoiou alguém em SP também?? Ainda dá tempo de mudar de cidade?? Talvez eu vote no Monteiro Lobato, ou na Elis Regina, sei lá, sei lá...

terça-feira, 14 de outubro de 2008

Capítulo 97

O meu nível de pessoa desastrada excedeu o limite. Cheguei num ponto que já não consigo mais andar passo após passo na rua sem fazer alguma bobagem. Pelo menos a única prejudicada foi eu mesma, com um pé torcido da maneira mais estúpida possível. Até agora, não sei como uma viradinha de nada transformou a minha vida: um sábado inteiro de repouso (tortura!!), dois dias mancando; R$ 10,00 a menos com antiinflamatório. Além do lixo da minha mesa que virou apoio e que muito provavelmente nunca mais será lixo, como é confortável trabalhar com os pés pro alto.

Capítulo 96

A gente (nós, meninas) crescemos ouvindo contos de fadas, sonhando com príncipes encantados. Bom, aí você cresce e sabe bem (ah, e como sabe) que a realidade é totalmente diferente daquelas doces histórias. Até o final da adolescência você assiste a descontrução do príncipe. É só nesta fase você se dá conta que tantas qualidades juntas seguidas de defeitos zero é impossível (além de chato) numa pessoa. Na casa dos 20 e poucos (quase muitos) você começa a desconstruir a idéia do 'e foram felizes para sempre'. Há mesmo uma pessoa em algum lugar desse mundo que foi feita pra você? Que te ama na mesma intensidade que você, que na alegria e na tristeza, saúde, doença, riqueza e pobreza estará lá pra você?? O pior, ou melhor, sei lá, é que essa idéia de ter alguém persegue o mundo todo. Toda vez que eu vejo Brilho Eterno de uma mente sem lembranças eu penso nisso. Mesmo com todas complexas questões que o filme traz, qual é a mensagem que está por trás dele? A de que haja o que houver, pague você o dinheiro que for numa clínica que apaga lembranças (alguém conhece uma??) , se a pessoa estiver no seu destino não há jeito, você não a esquecerá. E depois de duas horas de sofrimento, achando o máximo a estrutura e o roteiro do filme, você percebe que está diante de um conto de fadas moderno para adultos. Tem como desacreditar que há alguém neste mundo pronto pra ser feliz para sempre com você, tem??

quarta-feira, 8 de outubro de 2008

Capítulo 95

Você sabe que está viciada num seriado quando acessa o blog, criado por fãs (outra onde vc chegou!!) de uma em uma hora para ver se um novo episódio que ainda nem foi ao ar no EUA, já está disponível. Como não está, você acaba lendo todos os spoilers que encontra pelo caminho. É, meus caros, essa é a minha atual situação. Tudo começou quando eu descobri que não precisava mais depender da boa vontade da Sony pra assistir Desperate Housewives. Encontrei esse blog e disse pra mim mesma "só vou baixar alguns episódios e chega", frase mais comum de qualquer dependente, tipo, quando quiser eu paro. É claro que eu não parei. Se a intenção era rever alguns episódios a hora que eu quisesse, confesso que revi todos, todos, as quatro temporadas completas. Bom, e como já se sabe, chega uma hora que o viciado quer coisas mais fortes e é neste nível que eu cheguei, sim, desejar os episódios que ainda nem foram ao ar na tv americana. Ok, pirei, tenho consciência disso. Talvez agora seja aquela hora de procurar ajuda. A lista com outros atuais já está começando....

Capítulo 94

Uma das cenas mais clássicas de amores adolescentes. A é apaixonado por B, que por um acaso, não gosta de A. Pronto, logo B será para sempre o amor da vida de A. E o A, ao invés de partir pra outra e perceber que há um alfabeto inteiro com o qual pode ser feliz, ele continua sonhando, insistindo e às vezes, sendo até chato com o B. Tudo porque A idealiza a relação perfeita com B, mas se pudesse vivenciá-la, comprovaria que seria tão imperfeita como qualquer outra. E outro agravante, tem um grupo de A, que não quer ser feliz de verdade, ele pode até dizer isso, mas no fundo mesmo o que ele procura é aquela pessoa que o despreze, que o rejeite e aí, quanto mais 'não' ele ouvir, mas apaixonado ele ficará. Abaixo o tipo A!!!

terça-feira, 7 de outubro de 2008

Capítulo 93

Onde a Sony estava com a cabeça quando decidiu de repente parar de transmitir a quarta temporada de Barrados no baile e voltar para a primeira?? É, eu aindo vejo Barrados no Baile e daí? É um dos mais legais, ouviram? Legal, não o melhor de todos os tempos, antes que alguém venha me falar de Seinfield. (Eu particularmente gosto bem mais de Friends, anyway.....) Qual o problema da Sony?? Eu até imagino o que tenha acontecido. 6h45 - estagiário vai colocar a fita com a imagem da 4ª temporada do seriado; no corredor encontra a estagiária responsável pela fita com as legendas; rola uma pegação na sala das fitas. 6h55 - Faltando cinco minutos pro seriado entrar no ar eles percebem a grande bagunça e várias fitas misturadas, já não se sabe qual é qual. A saída encontrada por eles, já que é impossível identificar a 4ª temporada, coloca a primeira, ninguém vai perceber. Eu percebi e fiquei puta da vida.

quinta-feira, 2 de outubro de 2008

Capítulo 92

Sabe aquela sensação que de repente te invade e permanece como se fosse um mantra "mude o visual, mude o visual". Você olha no espelho e vê que seu cabelo parece estar de acordo. A única pessoa que parece não concordar é a atendente do salão de cabeleireiro. Além de arranjar um horário só na próxima semana (bem eficiente ela, né?? até lá já mudei cinco vezes de idéia sobre o que fazer com a minha adorada juba), ela ainda informa que o preço do serviço praticamente triplicou. Surtei, não foi pra menos. Quem chamou essa maluca pra atender telefone no salão?? Um segundo, ela desiste de mim, é desistiu, percebeu que eu era insistente e não estava ali pra brincadeira. Chamou o próprio cabeleireiro pra falar comigo e num minuto estava tudo resolvido. Como ele mesmo disse ao final, " a gente se entende." É, a gente se entende e relação com cabeleireiro é outra que não cabe terceiros.

quarta-feira, 17 de setembro de 2008

Capítulo 91

Depois de mais de três anos, dei adeus ao meu celular. Em parte, porque minha agenda de contatos ainda continua lá. Somando os números que eu sei decor (casa, mãe, pai, pra que mais, né??) mais a preguiça de passar os números para o novo aparelho, sinto que por um bom tempo estarei acompanhada de dois celulares. Mais difícil que largar o celular velho de guerra foi escolher um novo. Primeira olhada: site. Já sabia a marca que eu queria, só faltava o modelo. Cada vez mais as opções e servidos oferecidos aumentam o que só serve para confundir pessoas como eu, que não entendem bulhufas. Bom, depois de alguns minutos, foi fácil decidir qual o modelo seria, já que não entendo daquilo e bluetooth e nada são a mesma coisa, o jeito foi escolher pela cor. Bizarro, jeito de criança, mas fazer o que? Humm..vermelho, pra combinar com a fase preto-vermelho-branco (praticamente uma white stripe). Bom, aí chego na loja e descubro que o que eu quero não tem. E surgem os mais diversos tipos na minha frente por uma atenciosa vendedora.

- Moça, eu não quero nenhum desses.

- O que você quer não tem mesmo. Mas olha esse, tem tudo câmera 1.3, grava, XXX de capacidade, bluetooth...

- Ele faz ligações e manda mensagem?? (Bom, é só o que eu preciso. E como preciso) - Ah, de qualquer jeito não vou levar, o que eu quero a câmera é 2.0 - (Bom, eu sou uma garota esperta, 24 anos de praia, fala sério, não ia comprar isso, né?)


Bom, a própria vendedora me aconselhou a ir numa loja melhor, mas avisou que seria difícil de achar. Dois shoppings depois, dezenas de lojas, e bater muita perna, eu achei o aparelhinho portador de notícias, mensagens, fotos dos, quem sabe, próximos três anos!! Ah, já descobri o que é e como funciona o bluetooth.

Capítulo 90

Quanto mais as coisas mudam, mais elas continuam as mesmas.

quinta-feira, 4 de setembro de 2008

Capítulo 89

Madonna no Brasil: eu desisti!!!!

ÓOO sistema de compra ruim da porra, hein!!!!!

segunda-feira, 25 de agosto de 2008

Capítulo 88

Ser ou não ser, esta é a questão....
Assisti Hamlet, yeah, 3h30 sentada, lindinha, quietinha, sem olhar (muito) para o relógio e (tentando) não babar muito por Wagner Moura. Escreveria mais sobre o assunto, se não fosse essa crise de rinite que me invade. Tá, não preciso enganar ninguém, vai. Mesmo quando eu melhorar não escreverei nada sobre a peça. Porra, ela é simplesmente demais, levantem daí e confiram!!!

sábado, 16 de agosto de 2008

Capítulo 87

Festinha... Ló (depois de uma dose de cerveja adota-se a pronúncia francesa) com a máquina na mão. Click.
- E aí Ló, como ficou a foto?
- É, ficou bem diferente da realidade

quinta-feira, 14 de agosto de 2008

Capítulo 86

A relação homem-mulher nunca é fácil de se entender. Seja ela qual for. Mas quando o assunto é namoro, a questão é ainda mais complexa. Conversando com uma amiga me senti aliviada e também preocupada ao perceber que a maioria dos casais passam pelos mesmos problemas. No entanto, poucos sabem como contornar essas pequenas crises que insistem em nos visitar. Ela falava sobre o comportamento de ambos, que a essa altura era diferente do início do namoro. E como mulher, e no meu blog, me sinto totalmente a vontade pra reclamar, por que os homens fazem de tudo, movem céus e montanhas no começo e depois de um certo tempo já não demonstram o menor esforço pra nada, e quando o fazem é como se fosse uma obrigação? Por que eles se acomodam de tal maneira na relção e acham que já conhecem totalmente a pessoa que está ao seu lado? Por que eles nos deixam mal-acostumadas? Não sei, não tenho resposta pra essas perguntas. Suponho que talvez seja porque depois da fase da conquista, de curtir o que é novo, venha aquela sensação de "jogo ganho" e aí já sabe o que acontece com quem entra em campo com salto alto. Será tão difícil manter um namoro sempre como novo?

terça-feira, 12 de agosto de 2008

Capítulo 85

Houve um momento da minha vida, não muito distante, que eu adorava Olimpíadas. Não perdia um esporte, anotava os resultados, assitia a reprises dos jogos (de todas as modalidades), via comentários, tudo, tudo. Bom, mas um belo dia, eu cresci, descobri que o sistema mal e viver é difícil e que as Olimpíadas são um pé no saco. Que coisa mais chata, de quatro em quatro anos aparece um monte de atletas que sabe-se lá Deus onde estavam entre um evento e outro, e mostram todo o "orgulho" de ser brasileiro. Aí, toda aquela cansativa discussão, de que aqui só o futebol tem vez, que esportes que não têm investimento mesmo assim conseguem chegar lá, imagina se tivessem patrocínio? E ainda, o Brasil está pronto para sediar uma Olimpíada? Que coisa mais chata!! Ah, pra fechar com chave de ouro (hãn, olha o trocadilho) ao final de cada competição que um atleta brasileiro fica no meio do caminho e quando muito conquista uma medalha de bronze, somos obrigados a ouvir que é de bronze, mas vale como se fosse um ouro. Ei, não pra mim. Ouro é ouro. Bronze é bronze.

quinta-feira, 7 de agosto de 2008

Capítulo 84

Coisas bizarras no metrô:

1º - Mulheres se maquiando - Campeão da lista. É péssimo e é o que mais vejo, muito comum durante as manhãs. Fico pensando, como elas conseguem? De pé, todo mundo esbarrando em você e a iluminação do metrô não é das melhores. Um dia alguém vai se maquiar no metrô e vai sair parecendo o Bozo.
2º Tirar sobrancelha, passar esmalte - Praticamente continuação do ítem anterior. Também me faz questionar como elas conseguem tal proeza com o trem em movimento. Detalhe que tirar sobrancelha com platéia é bem desagradável, pelo menos pra quem assiste.
3º Seres que surgem do nada com saquinhos de doces que são jogados no seu colo - Após o ato de reconhecimento do objeto estranho que subitamente torna-se um objeto de desejo, vem todo o discurso "eu poderia estar roubando, mas estou aqui pedindo e blablablá...."
4º Casais se amassando no metrô - Não, eles não se beijam, não se abraçam, eles parecem querer desafiar a teoria que dois corpos não ocupam o mesmo espaço no universo. Eu acredito e preciso ainda desenvolver a teoria de que deve haver algo de afrodisíaco no metrô. É péssimo de ver , em especial quando se está sozinho.
5° Recados do metrô - Não estou falando do "aguarde o trem atrás da faixa amarela", não, os avisos evoluíram (ou não), adoraria saber quem escreve esses textos: "seja educado, se não for embarcar não fique na porta" (e eu fico aonde? eu sempre sou levada pela multidão, mesmo não querendo, eu entro), "ao entrar no trem, vá para o corredor, não fique na região das portas" (se entrar no trem, né), "no metrô não é permitido carregar grandes volumes" (geováaaaa, absurdo!!!), "paramos para aguardar a movimentação do trem a frente" (tipo, tá rolando uma rave no trem da frente).

quarta-feira, 6 de agosto de 2008

Capítulo 83

A melhor do dia no jornal:

Do Rafa pra mim:

- Ju, como fala redação em inglês?
- Redação de texto?
- Não, de jornal.
- Humm.. redação... redação... (pensando alto)
Leandro do meu lado, no telefone, no típico momento "peguei o bonde andando":
- Eu sei, eu sei, composition!!
- Não Lê, é redação de jornal.
- Ah, então é newspaper´s composition.

domingo, 3 de agosto de 2008

Capítulo 82

Sabe aquelas pessoas que tem N problemas e que acham que podem resolvê-los dando uma voltinha no shopping e gastando tudo (ou quase nada) do que têm? Pois bem, me tornei uma delas. Como? Não faço a mínima idéia. Que eu me lembre, tudo começou no último Natal, quando num pensamento muito generoso acreditei que por ter tido um ano muito turbulento eu poderia me presentar com quatro vestidos de uma só vez. E me presenteie. Um deles ainda aguarda uma ocasião especial e outro só foi usado uma única vez. Teve outro dia que inventei qualquer motivo pra comprar um sapato. No entanto, no último mês, (a culpa é toda do meu aniversário) achei que eu eu pudesse me dar de presente tudo. Tudo mesmo. Abrir o guarda-roupa e ver várias roupas ainda com a etiqueta é uma sensação.... muito boa. Ah? Nem eu me reconheço mais. Em outros tempos, eu acharia isso uma futilidade só, pra que tanto, não é mesmo? Olha, sinceramente, não sei. Mas boa parte da minha carência (opss!!!) tem sido suprida com váaaarios débitos. O triste é que só hoje me dei conta disso. Entrei numa loja só pra comprar um presente pro meu pai. Nada muito caro, nem muito barato, a procura de um presente ok pro meu papis. Por uma (in)felicidade entrei na loja justamente na seção feminina. E de repente, não mais que de repente aquela sensação "eu preciso levar alguma coisa pra mim". Um vestido que nem preço tinha mas que ficou muito bom e me lembrou que preciso de uma bota, um casaquinho e um tomara-que-caia depois cheguei na seção masculina. Como tinha pouquíssimo tempo, peguei uma blusa de frio e lá vamos nós para o caixa.

- Deu R$ XXXX - fui informada por uma caixa sorridente.

Uau, eu sou boa nisso, merda vou ter de deixar alguma coisa. Humm... o presente do meu pai lógico que não, o casaquinho preto também não, porque é preto, combina com tudo... hummm

- Moça, o vestido é quanto? - Ahhhhhhh, mas o vestido ficou ótimo, de verdade, e é de inverno, eu naõ tenho nenhum vestido de inverno, eu posso usá-lo um dia quando eu for pra Europa, hoje depois de um mês choveu, esfriou, é um sinal devo levá-lo também.

- .... e noventa centavos.

Droga, estava num momento tão enamorada do vestido que nem ouvi, ah dane-se vou levar.

- Tira o tomara-que-caia.
- Ele tá R$ 9.99.
- Ah, ótimo, já aliviou um pouco.

Descoberto o problema, juro que irei me policiar agora. Quer dizer, depois de comprar a bota que combina com o vestido.

sexta-feira, 1 de agosto de 2008

Capítulo 81

Uma pesquisa da empresa de cosméticos Schwarzkopf & Henkel revelou que nós morenas ganhamos mais dinheiro profissionalmente e somos mais bem sucedidas na vida amorosa do que as loiras. Coitada das loiras, se tá ruim pra nós, imaginem pra elas...

terça-feira, 29 de julho de 2008

Capítulo 80

Coldplay, always Coldplay. Lost!

Just because I'm losing
Doesn't mean I'm lost
Doesn't mean I'll stop
Doesn't mean I would cross

Just because I'm hurting
Doesn't mean I'm hurt
Doesn't mean I didn't get what I deserved
No better and no worseI just got lost!

Every river that I tried to cross
Every door I ever tried was locked
Ohhh and I'm just waiting 'til the shine wears off
You might be a big fish
In a little pond

Doesn't mean you've won'
Cause along may come
A bigger one
And you'll be lost!

Every river that you tried to cross
Every gun you ever held went off
Ohhh and I'm just waiting until the firing's stopped
Ohhh and I'm just waiting 'til the shine wears off
Ohhh and I'm just waiting 'til the shine wears off
Ohhh and I'm just waiting 'til the shine wears off

sábado, 26 de julho de 2008

Capítulo 79

Eu tento muito conviver em paz com meus vizinhos. Mas quando um infeliz resolve colocar o som no último minuto antes das 8h da manhã em pleno sábado, a única vontade que eu tenho é esmurrar a porta do dito cujo. Por que essas pessoas espaçosas, com sérios problemas de educação ( e audição!!) nunca colocam o som no último volume quando ouvem Tom Jobim? Ou Los Hermanos, Marisa Monte, Adriana Calcanhoto ou ainda Coldplay? Por que esse povo tem de estar ouvindo a rádio que só toca hip-hop-pop grudento chato e pagodes de grupos com nomes suuper originais, qualquer coisa do samba, que tem um lalalalaiá e uma batucada insuportáveis. Juro, nada tinha contra. Até que hoje. O dia que eu podia ficar na cama até a hora que eu quisesse despreocupadamente, afinal, fui dormir tarde, a lógica é acordar tarde. Não foi possível. Tentei me manter de olhos fechados acreditando inocentemente que logo o ser do apartamento de cima ia abaixar, mas não, minha cabeça doía e o mau humor já fazia-se presente. Claro que eu não esmurrei a porta do vizinho. Vontade é o que não me faltou. Canalizei toda a minha raiva na faxina. O quarto ficou um brilho só. Ah, sim, toda a limpeza teve minha trilha sonora tocando também, num volume bem alto, humf, vamos ver qual som é mais potente!

Capítulo 78

Adoro encontrar sites novos. Principalmente se eles são divertidos e me fazem rir.
Achei um americano, em que você coloca a sua data de nascimento e ele te mostra os seus cinco melhores "partidos". O site mede a relação com base no físico, emocional e intelectual. Claro que eu não resisti e testei pra ver o resultado ideal pra minha vida amorosa. E não é que esse site é ótimo?? Descobri que combino com 2 atores (lindos!!) , 2 jogadores de futebol e um príncipe!! Que mais que eu quero??? Com 99%, o primeiro da lista é Jesse Metcalfe. Ahãn? Jesse quem? Eu também fiz essa cara de ponto de interrogação quando vi esse nome. Mas logo liguei nome a pessoa (thank God) e descobri que trata-se do jardineiro bonitão de Desperate Housewives. Coisa do destino, só pode, o ator lindo do meu seriado preferido do momento? Que mais que eu quero? O quarto e mais famoso da lista (não vou comentar todos e me exibir dos ótimos relacionamentos com caras lindos que eu poderia ter, hehe) é o galante, jovem, lindo, loiro, Prince William !!! Fala sério, sabia que eu merecia vida de rainha, hahahahahha. Já me imaginei com uma história semelhante a da princesa Letizia da Espanha. Ex-jornalista, ou então Grace Kelly, hahhhahahha. Já estava sonhando com o Príncipe William compartilhando, dividindo comigo tudo que ele possui e eu oferecendo toda minha coleção de Friends e uma velha coleção da Capricho de quando eu era adolescente. Ah, se a rainha Elisabete me aceitasse por lá... rsssss

quinta-feira, 24 de julho de 2008

Capítulo 77

O que será de todos esses caras que fazem stand-up-comedy ao final dessa modinha? Impossível que todos eles sejam muuuito bons pra continuar. E outra, o que os bares de São Paulo vão oferecer como super atração?? É, porque beber não pode mais. O que será que nos aguarda???

Capítulo 76

Uma das coisas mais perigosas do mundo com toda certeza é a preguiça. Num instante você está todo disposto e num piscar de olhos, você já não tem mais vontade de fazer nada. Ou até tem, mas falta uma certa disposição. Esta é a terceira semana que tenho as manhãs livres, férias. Pensei em mil coisas pra fazer, como poderia ocupar meu precioso tempo. Ao invés de acordar às 6h30 eu poderia me levantar às 8h, por exemplo. Não deu certo. Saí arrastada da cama às 10h (vergonha total!), todos os dias. Pior, cada dia que passa eu durmo mais horas por noite e tenho cada vez mais sono. Tenho sérios problemas com sono-levantar da cama. Aí, penso em tudo que eu havia planejado: correr pela manhã, o que me deixaria muito mais disposição no resto do dia. Ir trabalhar mais cedo, totalmente fora de cogitação. Me arrumar com mais calma enquanto ouço algum jornal, estar informada, afinal sou uma jornalista, também não deu certo. A culpa é toda desses canais que passam clipe 500 horas por dia. E quando não é um clipe da época que eu assistia mtv, é uma música nova que eu olho abismada e penso "não é que ainda fazem clipe?". Ok, ainda me restam seis lindos, maravilhosos dias de férias, no período matutino. Se eu voltar a correr juro que vou ficar muito satisfeita e aliviada na hora de comer tantos doces!!

terça-feira, 22 de julho de 2008

Capítulo 75

Não sei a mãe de vocês, mas a minha vê perigo em todos os lugares. Usar o caixa eletrônico no terminal de metrô por exemplo, está na escala "isso não é muito bom, minha filha, cuidado-alguém pode te assaltar." Nunca consegui seguir esta recomendação. Afinal, preciso ter um controle da minha conta bancária e o caixa eletrônico está no meio do meu caminho para o trabalho. Num belo dia da semana passada, estou eu saindo com o extrato da minha conta em mãos, super distraída (aliás, eu tenho estado cada vez mais distraída, será que é o primeiro sinal da idade avançada??) em direção a livraria, quando ouço um "ei, moça", muito perto de mim. Olho para o rapaz que está realmente muito próximo de mim e o pensamento de "ele vai me assaltar, ele vai me assaltar" não saía da minha cabeça. "Posso te fazer uma pergunta?", diz ele. Humm... um assaltante não pergunta se pode assaltar, eu sei disso, já fui assaltada uma vez. Bom, se fosse seria muito azar no dia que o salário caiu na conta. Bem, ele também não parece levar uma arma consigo. E outra, ele tem uma aliança na mão esquerda, é casado, acompanhem o raciocínio, casado, deve ser pai de família, ele não vai fazer com os outros o que não gostaria que fizessem com os entes queridos dele, não é mesmo?? Ok, esta teoria é super furada e eu tenho certeza que algum espertinho vai fazer uma lista com assaltantes casados. "Pode" respondi ainda muito desconfiada. "Qual o seu perfume?". "Ah??? meu o que ???" , "Queria o nome do seu perfume". Ainda tentando me recuperar de um quase susto, revelei (de maneira bem confusa) o nome do perfume, que eu não vou dizer aqui porque eu já havia decidido que quando eu ficar famosa não ia contar pra ninguém. Por que disso? Não sei, mas já vi várias atrizes dizendo que não revelam o perfume que usam. Tampouco eu. Só esqueci de dizer uma coisa pro rapaz, mesmo que dez pessoas usem o mesmo perfume, o cheiro não será o mesmo.

sexta-feira, 18 de julho de 2008

Capítulo 74

Por que as coisas têm de ter um fim? Por que? Por que? Quem inventou isso, hein?? Humf, essa brincadeira não tem a menor graça para uma pessoa como eu que não sabe dizer adeus. Acabei de descobrir que o meu seriado favorito (atual) já está com os seus dias contados. Ou melhor, suas temporadas. Pra ser mais exata, três. É isso aí, é o que nos resta: mais três temporadas de Desperate Housewives!!!! É muito pouco!!!! Ahh, seriado não devia acabar nunca, tinha que ser eterno, hahaah. Vida longa as temporadas!!http://tv.globo.com/ENT/Tv/Seriados/DesperateHousewives/0,,AA1685389-6326,00-CRIADOR+DE+DESPERATE+HOUSEWIVES+CONFIRMA+QUE+SERIE+TERA+APENAS+MAIS+TRES+TE.html

Capítulo 73

Depressão pós-aniversário...Ainda bem que sobraram uns brigadeiros..

quarta-feira, 16 de julho de 2008

Capítulo 72

Parabéns pra mim. Parabéns pra você. Parabéns pra nós.

Parabéns pra todos aqueles que acreditam que o amor é a coisa mais importante do mundo.
Parabéns também para aqueles que não acreditam tanto na força do amor.

Parabéns para aqueles que correm e vivem seus sonhos.
Parabéns para aqueles também que não tem certeza do quanto querem que seus sonhos virem realidade.

Parabéns para aqueles que nunca temeram dizer o que pensavam, mesmo que tenha pagado um alto preço por isso.
Parabéns para aqueles também que por uma razão ou outra se calaram e deixaram uma palavra decisiva morrer, antes mesmo de existir.

Parabéns para aqueles que seguem sempre adiante. (Como eles conseguem tal proeza?)
Parabéns também para aqueles que preferem ficar parados ou andam a passos de tartaruga.

Parabéns para aqueles que se lembram do que passou e ainda sentem o mesmo calor.
Parabéns também para aqueles tentam esquecer e percebem que todo esforço é em vão.

Parabéns para aqueles que sabem que o mundo é grande e há pessoas que nunca mais irão cruzar
Parabéns também para aqueles que sabem que o mundo é pequeno demais e cedo ou tarde vão se reencontrar.

Parabéns pra mim. Parabéns pra você. Parabéns pra nós.

sexta-feira, 11 de julho de 2008

Capítulo 71

Não queria um namorado pra ganhar presente no dia dos namorados, no meu aniversário, alguém pra me ligar, mandar mensagens fofas, sacanas, carinhosas, apimentadas, me dar chocolate, ser minha companhia no cinema, teatro, festas bacanas e festas ultra chatas que nunca sei como acabo nelas, pra ser meu pão, minha comida e todo amor que houver nesta vida. Neste momento, eu mais que queria um namorado pra uma experiência, sim, descobri um site que há tempos eu procurava, heehe: http://www.makemebabies.com !!! Será que nossos filhos serão lindinhos? Será que esse cara realmente rende um bom fruto?? Tcharãaaaannn, esse site fantástico responde a estas perguntas e muita mais. Genial, né?? Admiro muito esses nerds da internet que inventam umas bobagens assim pra pessoas como eu (solteira) se entusiasmarem com isso e nem ter com quem testar. Será que Angelina Jolie se incomodaria muito se eu usasse o Brad Pitt???

quarta-feira, 9 de julho de 2008

Capítulo 70

Já repararam como as pessoas se escondem no mundo virtual?
Como é muito mais fácil, econômico e cômodo mandar um e-mail, uma mensagem pelo msn, orkut, do que usar o bom e velho telefone? Encontrar alguém pessoalmente então parece tarefa ultra mega difícil.
Juro, nem sou a maior fã de telefone neste mundo (prova disso é meu celular, o mesmo há três anos), mas não é mais agradável falar o que se quer falar e ainda por cima ouvir a voz da pessoa em tempo real?? Pensem bem, o msn é uma porcaria, eu mesma já dei altos foras, a perder de vista.... mensagens trocadas, interpretações equivocadas, problemas na conexão e a espera interminável por uma resposta que não chega nunca e quando vem está longe de ser o que voce queria escutar, ops, ler.
E o e-mail, então?? O que é o e-mail?? Você manda praticamente um livro e uma semana depois ainda não teve resposta alguma. Aí vc não sabe se a pessoa não recebeu, se recebeu e não tem o que dizer ou se simplesmente ignorou.
Não tenho a menor intenção de fazer uma campanha a favor do telefone ou do celular. Se bem que as operadoras adorariam, mas enfim, pra que ficar preso nesses meios de comunicação virtual??
A internet cria uma legião de anônimos, as pessoas se sentem mais a vontade escrevendo um monte de coisas, porque é tudo virtual. Vale lembrar também que o anonimato é o refúgio do covarde.

segunda-feira, 7 de julho de 2008

Capítulo 69

Por que raios a Nicole Kidman batizou a primeira filha (biológica) de Sunday Rose? Que nominho é esse? "Rosa do Domingo", numa tradução ao pé da letra. A menina nasceu em plena segundona, não seria melhor colocar Monday Rose? Se é pra ser exótico, faria mais sentido, não é mesmo?

Capítulo 68

Adoro minhas conversas com a Lau, sempre rendem boas risadas;

Lau - Vamos fazer alguma coisa semana que vem.

Eu - Não, semana que vem é meu aniversário.

Lau - Legal, liga pra gente

Eu - Não Lau, geralmente são as pessoas que ligam pro aniversariante, pra que eu vou te ligar?

Ana - (muito tempo rindo) - Que fofinhas!!

domingo, 6 de julho de 2008

Capítulo 67

Ele - Vou cantar esta música pra você.

Ela - Não! Não canta. Esta música não.

Ele - Ah, te lembra outra pessoa?

Ela - Hum hum.

Ele - Mas vc não vai lembrar disso pra sempre, né?

Ela - Vou sim.

Ele - Tá, eu canto outra.

Capítulo 66

Sair pra beber quando se tem de acordar cedo pra trabalhar no dia seguinte não é muito legal. Cheguei em casa às 4 da manhã. Tudo bem, ainda restam quatro horas de sono. Mas pra não quebrar a rotina, ao deitar na cama, liguei a tv, aquela zapeada por todos os canais (lá se vão quinze minutos) e descobri que estava passando uma maratona de desenhos do mickey. Há quanto tempo eu não via um desenho do mickey?? Ok, não fazia muito tempo, mas tudo que remete à minha infância tem um carinho especial. Quando percebi já eram 5 da manhã. Nunca, em hipótese alguma eu ficaria bem dormindo só três horas por noite. Imagina, eu preciso de 10, 12 horas, hehehe. Tinha certeza que estaria imprestável no trabalho. Pior, e se eu não acordasse? Tive a brilhante idéia de acionar os dois despertadores do celular. Um às 8h, outro às 8h05, com certeza eu ouviria. Às 9h eu sairia de casa e às 10h já tava no trabalho. Quando voltasse, dormiria até a noite. Pronto, estava tudo planejado da maneira mais perfeita. E é claro que tudo deu errado. Não ouvi nenhum dos alarmes, quando acordei já eram 9h, a hora que eu tinha de sair de casa. Levantar voando. Xixi. Escova dente. Coloca a lente. A roupa vai a mesma de ontem. Cabelo no estado mais lamentável, vai preso. Pegar a bolsa. Milagre. Consegui ficar pronta em nove minutos!!!!!! Uau, tempo recorde. Tá certo, que a custa de um banho, uma cama desarrumada e um quarto que parecia ter sido atingido por um furacão. Mas que consegui chegar a tempo no trabalho, ah, isso eu consegui.

sábado, 5 de julho de 2008

Capítulo 65

Um grupo. Vinte pessoas. Um clássio. Muita responsabilidade. Três dias de apresentação. Três dias que passarm voaram pras duas semanas que antecederam os dias da peça, que foram de muuuuuita tensão. Não sei até agora como ninguém se matou, rssss. Ainda bem que no final de tudo, a surpresa foi positiva. Nada como não criar expectativas. Os três dias podem ser resumidos da seguinte maneira:

1º dia - Estréia - Você está a milhão, não sabe o que sairá, como o público irá reagir, se a luz e o som vão funcionar. Esqueça as "borboletas no estômago", como diria a Aninha, "sinto formigas por todo o meu corpo". Todo final de apresentação de estréia não tem como não sonhar com um final à la Flashdance, onde aparece o cara dos sonhos da mocinha com um buquê de flores e ela corre pros braços dele e as letrinhas vão subindo, rs.



2º dia - A maldição do segundo dia - Quando tudo dá errado. Afinal, já passou a estréia, tudo correu bem e o elenco dá aquela relaxada. Não pode! Nunca relaxe, senão a maldição te pega.
Fico muito feliz em saber que contribui para as coisas não irem não tão bem, hehehhe, repetir duas vezes a mesma fala e esquecer objetos no camarim não é nada legal. Só serve para criar um pânico em cena.

3 º dia - Como assim já é o último dia? Ainda há pouco estava montando o cenário e agora já estamos na última apresentação? A última acredito que seja a que todos entrem com mais tesão. E na minha opinião, foi a melhor também. Fez valer cada minuto dedicado a montagem.

Capítulo 63

Já estava adorando essa moda, dos meus seriados preferidos virarem filme - Sex and the city e um rumor que o próximo seria Friends - quando a Warner Bross negou que tenha a intenção de levar pras telonas meus queridos "amigos". Como assim?? A Warner não tem noção do quanto iria lucrar com isso?? Só eu me disponho a ver o filme uma vez por semana enquanto ele estiver em cartaz, mesmo sem saber o roteiro, tamanha minha devoção. E convenhamos, para quem assiste aos episódios da série desde os 12 anos, sabe as falas dos personagens e ainda ri das piadas como se as ouvisse pela primeira vez, não será nenhum sacrifício. A Warner deveria repensar a idéia. Se precisar, tenho várias sugestões de roteiro, hehehhe. Caso contrário, rogo uma praga sobre todos os estúdios da Warner Bross. (Romeu e Julieta ainda vive em mim, rss)


Nem comentei Sex and the City, né!! Bom, já falaram tanto por aí que nem vejo mais o que falar. Gostei muito do filme, figurinos, locação, ah, New York, New York e principalmente o trocadilho "get carried away" com o nome da personagem de Sarah Jessica-Parker. Tão fofo aquilo... humm.. tô até agora pensando num trocadilho pra fazer com o meu nome. Mas tá tão difícil, que tô pensando seriamente em mudar de nome.

sexta-feira, 27 de junho de 2008

Capítulo 62

Toda entrega tem seu preço. Quanto mais você se doa, se dedica, quer que algo dê certo, maiores são as chances de uma hora ou outra você se decepcionar, se irritar e um "pequeno" detalhe pode acabar com seu dia. Minha adorada sexta-feira e parte do meu fim de semana, se eu não deixar logo isso pra lá, estarão condenados por causa de um B. Uma merda de B. Por mais exigente comigo mesma, o problema nem foi tanto o meu B, mas ver que outros tipos de pessoas tiveram o mesmo B.

sexta-feira, 20 de junho de 2008

Capítulo 61

Passar vírus por e-mail não é novidade nenhuma. Há anos escuto, "se vc receber um e-mail de alguém que não seja seu amigo, pedindo pra clicar, não clique." Ok, nunca cliquei, quando vejo um e-mail desses logo deleto. Mas de uns tempos pra cá, as mensagens têm se tornado cada vez mais inovadoras. E de tanto recebê-las, uma hora você começa a se perguntar se aquilo não é mesmo um link inocente. Li uma vez que de tanto você ouvir, falar, ler uma mentira ela acaba se tornando verdade. E é mais ou menos isso que acontece toda vez que vejo um e-mail assim na caixa de entrada. Ultimamente tenho recebido coisas como:

"Seu crédito foi aprovado, para que ele entre automaticamente na sua conta, clique aqui", (Mesmo sem nunca ter solicitado crédito em nenhum lugar, se eu clicar aqui eu posso ter um dinheiro a mais na minha conta, sem fazer esforço nenhum, rssss, olha a tentação);

"Alguém te ama e mandou este cartão, clique aqui para ler" - Não, ninguém te ama, mas depois de receber três e-mails assim, você já cogita que alguém realmente preparou um cartão virtual pra vc, que te ama e é muito insistente.


"A compra da sua passagem para Salvador foi efetuada com sucesso" - É óbvio que vc não comprou passagem nenhuma, ainda mais pra dois meses atrás. Mesmo com conteúdo tão absurdo, você vai até o site da companhia aérea e confere o seu cadastro e vê se vc não comprou nada há dois meses e simplesmente esqueceu da viagem.

"Veja as nossas fotos do fim de semana" - Este deve ser o campeão. E pior, mesmo sem ter saído de casa todo o final de semana, você se pergunta se realmente não saiu de casa, afinal a fulana tá mandando as fotos. Será que vc foi, bebeu, ficou muito louca que nem lembra das fotos?

Bom, cuidado, não clique em nada, você não pediu crédito nenhum, nem comprou passagem, não tirou foto e muito menos alguém te ama. Então, não clica!

terça-feira, 17 de junho de 2008

Capítulo 60

Estava conversando com a Ana e a Pams quando aparece um cara pedindo uma caneta, se apresenta só pra mim, pega um lápis com a Ana e sai.

Eu- Vcs já conhecem?
Elas - Já
Eu- Quem é ele? Da onde ele é?
Ana - Ele é clau

Humm... e daí que o apelido dele é clau? Insisti por mais informações:

Eu - E o clau é da onde?
Ana - É clown, do curso de clown
Eu - Ah, achei que fosse clau de Cláudio.
Ana - Ahahhahahhahahhahahha .... (uma infinita risada)

Capítulo 59

Deluque, ao contrário do que vc pensou ontem não era meu aniversário, rsss. Vi o scrap que vc desfez a confusão, rsss. Engraçado, ontem também outra amiga me lembrou que meu aniversário tá chegando. Ok, confesso, ainda espero ansiosa pela meu aniversário. Não, não gosto de ficar mais velha. Gosto mesmo é de ganhar presente, hehe. Enfim, de acordo com a astrologia (?) estou no meu inferno-astral. Fase que teoricamente tudo que tem pra acontecer de errado, realmente acontece. Bem, pelo menos foi o que sempre entendi de todas as explicações sobre inferno astral. Tá, espero que não seja uma fase tão terrorista assim, senão vou pensar duas vezes antes de sair de casa. Em todo caso, já estou usando essa desculpa. Hoje mesmo me dei o direito (uma tremenda folga, na verdade) de dormir muito além do que eu deveria. Frio, resfriado, metrô lotado e... inferno-astral!! Pra que facilitar? Pra que dar motivos para que o inferno-astral se manifeste, não é mesmo? Se eu passar esse período hibernando, tudo estará sob controle. I hope so.....

Capítulo 58

A trilha sonora do momento. Bom, não sei por quanto tempo ainda, mas pelo menos desta tarde: Duffy. Ouçam sem medo, nada a ver com o pop chatinho da Hilary Duff.

PS. Não sei como colocar link aqui, rsss..mas deixo a letra de uma música dela


Scared - Duffy

The blank pagesOf my diary
That I haven't touched
Since you left me
The closed blinds
In my home
See no light of day
Dust gathers
On my stereo
Cos I can't bare
To hear the radio
The piano sits
In a shaded space
With a picture
Of your face
I'm scared
To face another day
Cos the fear in me
Just won't go away
In an instant
You were gone
And I'm scared

Coffee stains
On your favorite book
Remind me of you
So I can't even look
The magazines
You left on the floor
You won't need
Them anymore
A towel left
Hangin on the wall
No sign of wet foosteps
In the hall
There's no smell
Of your sweet cologne
I'm lying here alone
I'm scared
To face another day
Cos the fear in me
Just won't go away
In an instant
You were gone
And now I'm scared
I'm scared
To face another day
Cos the fear in me
Just won't go away
In an instant
You were gone
Now I'm scared
In an instant
You were gone
And I'm scared

domingo, 15 de junho de 2008

Capítulo 57

Filmes pra pensar sobre a vida:

Um homem de família
Efeito borboleta
Brilho eterno de uma mente sem lembranças

quarta-feira, 11 de junho de 2008

Capítulo 56

Conversa durante o ensaio no teatro:

A - Vc já decidiu o que seu personagem irá fazer enquanto estiver fora de cena?
B- Já, ele vai tocar violão
C- Ué, mas ele não é cego?
B- É, por isso mesmo.

sexta-feira, 6 de junho de 2008

Capítulo 55

Um texto bem bacana do Nando Reis:

Quando eu estiver triste
simplesmente me abrace

Quando eu estiver louco
subitamente se afaste

Quando eu estiver fogoso
suavemente se encaixe

E quando eu estiver bobo
sutilmente disfarce

Mas quando eu estiver morto
suplico que não me mate dentro de ti

quarta-feira, 4 de junho de 2008

Capítulo 54

Mudar pra um apartamento maior que o seu antigo tem suas desvantagens. Uma delas é que o cheiro de queimado vindo da cozinha demora mais pra chegar no seu quarto....

segunda-feira, 2 de junho de 2008

Capítulo 53

Hoje uma colega me perguntou "você não vai escrever nada sobre Sex and the City?".. Hummm.. não. Pra quê? Já tem tanta gente falando. E olha só, mesmo não falando, eu já tô falando sobre. Tinha certeza que ia cair nessa, por isso respondi que sim pra minha colega. "Vou, vou escrever". Droga, por que eu disse que ia escrever? Pra dizer que a cobertura dos meios de comunicação tem sido muito eficiente e até minha vó está achando que esse é o melhor filme do século e a essa hora deve estar fazendo um teste em qualquer site/revista pra ver com qual das quatro garotas da Big Apple ela mais se identifica?

Quando a série estreiou eu tinha 14, 15 anos. Naquela época eu achava o programa o máximo. Era o mínimo, né, porque o seriado não era pra garotas da minha idade, era pra mulheres na faixa dos 30 anos. Com o tempo fui perdendo o encanto com a série, e em vários momentos até torci pra que a série fosse cancelada. Ah, fala sério, uma mulher de 30 e poucos anos, independente, que todo dia está nos mais badalados de Nova Iorque passa seis temporadas, 96 episódios (sim, eu vi todos!) comprando sapatos caríssimos e nutrindo esperanças com o tal Mr. Big? Humf, eu com 18 anos já sabia destinar melhor todo o investimento. Pegava toda a grana que ela já gastou em sapatos e ia pra Paris. E não voltava mais.

Com as primeiras notícias de que um filme sobre a série estava a caminho, fiquei curiosíssima, oras se o seriado já teve um happy end como era esperado em toda história, que mais eles tinham pra mostrar? Não sei, isso eu ainda não. Só vou sexta-feira.

Capítulo 52

Diz a lenda que Paul McCartney fez esta música (seu nome original era Hey Jules) como consolo para Julian, filho de John Lennon, na época em que Lennon se separava de Cynthia. Eu ainda acredito que Paul fez esta música só pra mim.

Hey, Jude, don't make it bad,
Take a sad song and make it better.
Remember to let her into your heart,
Then you can start to make it better.

Hey, Jude, don't be afraid,
You were made to go out and get her.
The minute you let her under your skin,
Then you begin to make it better.
And anytime you feel the pain,
Hey, Jude, refrain,
Don't carry the world upon your shoulders.
For well you know that it's a fool
Who plays it cool
By making his world a little colder.

Da da da da da da da da da.
Hey, Jude, don't let me down,
You have found her, now go and get her.
Remember to let her into your heart,
Then you can start to make it better.
So let it out and let it in, hey Jude, begin,
You're waiting for someone to perform with.
And don't you know that it's just you,
hey Jude you'll do,
The movement you need is on your shoulder.

sábado, 24 de maio de 2008

Capítulo 51

Os e-mails que eu não mandei

Totalmente normal e característico do ser humano começar algo e não terminar. Principalmente quando o ser sou eu. Fiquei assustada com a quantidade de rascunhos que acumulei nos últimos tempos. Daqui a pouco minha caixa de entrada de e-mails estará perdendo pra de rascunhos. Tantos e-mails que eu nunca mandei. Decidi fazer uma faxina, mandar o que ficou por mandar ou então descartar. Percebi que já não cabia mandar alguns. E que também não podia simplesmente descartar outros que fiquei hooooras escrevendo, escolhendo as melhores palavras. Não fiz nem uma coisa, nem outra. Todos os rascunhos continuam intactos. É, até virtualmente tenho um certo apego com as minhas coisinhas. Ou então, sou péssima na hora da faxina mesmo.

Capítulo 50

Papo que rolou com uma amiga. Ela me contava que viajaria neste feriado e que haveria uma festa junina na cidade:

- Festa junina? Estamos em maio ainda. Festa junina é só em junho ou julho.

- Não Ju, é porque este ano tudo tá acontecendo mais cedo. Repara, carnaval, páscoa.

- Ah, é verdade, pode ser então.

- O ano novo por exemplo vai cair no dia 1º de dezembro.

terça-feira, 13 de maio de 2008

Capítulo 49

Hoje foi um dia bem especial. Andei sozinha de trem pela primeira vez.
A primeira vez mesmo que pisei num trem foi há dois meses, mas nem valeu, o trajeto Barra Funda-Lapa é curtíssimo e não provocou uma sensação digna de primeira vez. Lá estava eu hoje esperando pela pior impressão que alguém poderia ter de algo. No entanto, os deuses conspiraram a favor do trem, rss. Cheguei na plataforma e num segundo ele apareceu, bem conservado, limpo, humm o trem não é tão ruim assim como dizem, tem até música (super agradável diga-se de passagem) embalando a viagem. Seis estações. Passou rápido, eu tava curtindo passear de trem, olhar a cidade de um jeito que eu nunca tinha reparado, colada ao rio Pinheiros. O novo meio de transporte saiu-se muito bem pra uma primeira vez.

segunda-feira, 12 de maio de 2008

Capítulo 48

A saudade chega quando menos se espera. E nem sempre sabemos como agir.
Toda vez que a saudade batia, ela sentia a mão coçar e a vontade de discar todos aqueles números aumentar.
Ela tirava o telefone do gancho e o som da linha era a trilha sonora do filme que passava pela sua cabeça: beijos, abraços, cumplicidade no olhar, troca noturna de mensagens, e-mails apaixonados, passeios no parque, fim de semana no cinema e depois uma cerveja.
A cada momento que passava ela tinha mais vontade de ligar, sentia que seu coração batia mais forte, queria cada vez mais ligar e gritar que a saudade que sentia era do caralho e que acreditava piamente que eles mereciam uma segunda chance juntos.
De repente suas dúvidas passaram a ser outras. Será que ele ainda se lembrava de algo? Sentia falta?E se a vida dele já tivesse seguido adiante? E se ele conheceu alguém?
"Por que que toda vez que eu acredito ter dado um passo a frente, na verdade voltei dois e cada vez mais ligada ao passado?"
A linha já havia caído, no entanto ela ainda segurava o telefone. "Se ele quisesse um contato, ou sentisse falta, já teria ligado". Toda sua vontade foi se acalmando. Lentamente colocou o gancho no lugar. Não ia ligar. Mas a saudade ainda batia forte. E ficou batendo, batendo, batendo...

Capítulo 47

Um dia você chega no trabalho e descobre que está sem telefone, porque alguém o usou de maneira tão delicada, enquanto você não estava, que ele simplesmente não funciona mais. Aí vc liga pro suporte da empresa (suuuuuper eficiente) e fica sabendo que só no final da tarde, no máximo amanhã de manhã alguém irá arrumá-lo. E as minhas entrevistas, eu faço como? Como é que fico um dia sem telefone??? Bom, pra piorar você recebe um e-mail de uma pessoa que diz ter feito mestrado em Harvad, mas escreve pérolas como: geito; " se poço publicar"; "estarei esperando respostas". Não vou gastar minhas palavras comentando tais absurdos.
Bem, no fim das contas, você respira fundo e se lembra que ainda é apenas segunda-feira. E faz muito frio lá fora.

domingo, 4 de maio de 2008

Capítulo 46

Ele estava parado ao lado da catraca da estação de trem. Barba por fazer, cabelo na altura dos ombros, mochila nas costas. Parecia esperar alguém ouvindo mp3 e observando o mapa dos arredores da estação. Já estava bem impaciente quando a avistou. Ela subia as escadas com uma coca-cola nas mãos, sorriu e acenou pra ele.

Ele- Demorou. - disse depois de um rápido beijo.

Ela apenas sorriu.

Ele- Isso teve graça?

Ela- Não, isso não. Mas o que eu tava pensando antes...

Ele odiava esses joguinhos nos quais ela era a rainha; deixava frases incompletas, informações pela metade pra que ele fizesse mil perguntas e parecesse superinteressado no assunto. No entanto, a curiosidade dele sempre vencia:

Ele - E o que é que você tava pensando?

Ela- Tava lembrando da primeira vez que a gente saiu...

Ele- ... na qual você também chegou atrasada.

Ela- Não cheguei não. Cheguei 15 minutos antes do combinado. E como você ainda não tava, fiz uma horinha na livraria e me atrasei, questão de segundos. Tá, mas nem era isso que eu ia falar.

Ele - Vamos andando e diz de uma vez o que era. - disse enquanto passava o braço sobre os ombros dela.

Ela- Então, lembrei que naquele dia, enquanto descia a escada rolante do shopping e vi você ali sentado, eu pensei em ir embora.

Ele - Ir embora como?

Ela- Ué, indo, desistir do encontro, entendeu?

Ele- Não, você deve ser maluca.

Ela- Só fui sincera. Ah, não era pra você ficar bravo. Se soubesse que voce ia ficar com essa cara nem tinha falado nada.

Ele - Queria ver se fosse você, o que você pensaria se eu dissesse que um dia pensei um ir embora?

Ela - Não foi só uma vez.

Ele - O que??

Ela- Na verdade já pensei em ir embora várias vezes. Diversas vezes quando estava indo te encontrar a idéia de mudar a direção e seguir outro caminho passou pela minha cabeça.

Ele-É que você também sempre foi do tipo que tem medo de se prender a alguém.

Ela - Aí é que está. Por mais comprometido que você esteja com alguém, sempre terão outras possibilidades, você não está preso. Somos livres em período integral, rss.

Ele - Ah, você gosta de ser livre, por que entao você nunca foi embora então?

Ela - Por que? Essa pergunta é ridícula de tão óbvia.

Ele - Ah, ridícula é você. - Ele deu as costas e se afastou dela.

Ela- Ei, onde você vai?

Ele - Vou te ajudar a descobrir como seria sua vida sem mim.

O trem chega. Entram no mesmo vagão, porém cada um por uma porta. Sentam-se longe, mas mesmo assim estão no campo de visão um do outro. O trem segue. Ela tira papel e caneta de dentro da bolsa e escreve. O trem chega na próxima estação. Ela se levanta, caminha até ele, e sem dizer nada deixa um bilhete sobre sua perna e sai do trem. Ele fez que não a conhecia. Quando ela virou as costas, ele acompanhou até onde seu olhar conseguiu vê-la, queria ter certeza que tinha ido mesmo. Abriu o bilhete e leu. "Se mil vezes tivesse a opção de escolha, mil vezes escolheria você."
O trem seguiu.

segunda-feira, 21 de abril de 2008

Capítulo 45

Sorrir
Quando a dor te torturar
E a saudade atormentar
Os teus dias tristonhos, vazios
Sorrir
Quanto tudo terminar
Quando nada mais restar
Do teu sonho encantador
Sorrir
Quando o sol perder a luz
E sentires uma cruz
Nos teus ombros cansados, doloridos
Sorrir
Vai mentindo a tua dor
E ao notar que tu sorris
Todo mundo irá supor
Que és feliz

domingo, 20 de abril de 2008

Capítulo 44

Na entrevista de Alexandre Nardoni e Anna Carolina Jatobá ao Fantástico ficou comprovado que mais uma vez a culpa é da mídia. É, eles quase me convenceram que foi a mídia que entrou no apartamento e jogou a criança pela janela.

Capítulo 43

Qual o tempo máximo pra se esperar pela resposta de um e-mail? Uma hora, um dia, uma semana, um mês, uma vida... Bom, profissionalmente falando, se a resposta não chega rápido, logo eu uso o bom e velho telefone. E por trás do telefonema está a impaciência de quem não sabe aguentar muito e usa a desculpa de que no jornal onde trabalha tudo tem urgência extrema (mesmo que não tenha). E-mails pessoais são os piores. Não tenho um grande jornal pra usar como desculpa. Aí, a solução é esperar. E nesse longo tempo que pode ser a espera, você pensa, o e-mail pode não ter chegado, pode ter ido pro lixo eletrônico, pode ter sido ignorado, pode ter deixado a pessoa sem palavras (literalmente), pode ser qualquer coisa.

Capítulo 42

Acho que tem uns dois ou três episódios de Grey´s Anatomy que assisto e só consigo prestar atenção em uma coisa: Dr. McDreamy!! Nem era minha atenção ficar viciada em mais um seriado, mas naquela rotineira mudança de canal, eis que ele estava lá, McDreamy. O causador por eu não ter a menor idéia de qual é a trama do seriado, do nome dos personagens, legendas, nada. Tá, sei que se passa num hospital, mas até aí né...

sexta-feira, 18 de abril de 2008

Capítulo 41

A sensação de impotência diante da impossibilidade de fazer o tempo andar pra trás é tão grande que só faz a vontade de seguir adiante ser maior ainda.

quinta-feira, 17 de abril de 2008

Capítulo 40

Quando era pequena, eu queria ser caixa de supermercado quando crescer. Eu achava o máximo, ela ficava sentada o tempo todo e ganhava muito dinheiro. É, eu pensava que todo aquele dinheiro ficava pra ela. Mas a gente cresce e amadurece as idéias. Bom, resolvi ser jornalista, porque eu gostava de escrever e ingenuamente sonhava que fosse escrever sobre o que eu quisesse. Diante de tantas opções confusas, me permite fazer outra escolha. Dessa vez, o teatro. Lá, posso ser várias e ao mesmo tempo não ser ninguém. Mas eu ainda não desisti de ter uma caixa registradora cheia de dim dim.

terça-feira, 15 de abril de 2008

Capítulo 39

Duas amigas conversando:
Amiga 1 - Acho que eu vou ficar sozinha pra sempre.
Amiga 2 - Por que?
A1 - Pensa em quantas pessoas há no mundo. Qual a possibilidade de você gostar de alguém e esse mesmo alguém gostar de você ?
A2 - Humm.. é...é bem mais provável que você goste de alguém que não goste de você ou vice-versa
A1 - É, pra dar certo é um em milhão...
A2- .... é.... acho que vou ficar sozinha pra sempre também

quinta-feira, 10 de abril de 2008

Capítulo 38

Há dias na vida que você percebe que tudo é faz de conta.
Você está andando na rua e alguém acena e você acena de volta, mas não era pra você.
A promoção anunciada na vitrine da loja, não é pra você, até seria se você tivesse o cartão específico, mas você não o tem.
O telefone, mas nem adianta ou é engano ou não estão a sua procura. E se estão, é só profissionalmente.
Você tá virando a esquina e vê o ônibus passando, daí você corre, chama a atenção de toda a rua, chega no ponto e percebe que não é o seu ônibus.
Você pensa que recebeu um e-mail, mas era só mais um spam fazendo volume na sua caixa de entrada.
Você acha que tem um cara a fim de você, mas na verdade ele só tem olhos pra sua amiga.
Você acredita piamente que amanhã será melhor; mas o amanhã chega e tudo está igual.

terça-feira, 8 de abril de 2008

Capítulo 37

Uma das melhores frases que ouvi de uma amiga "Eu tento gostar de todo mundo, mas as pessoas não contribuem." É, eu também tento gostar de todos, mas é tão difícil...

segunda-feira, 7 de abril de 2008

Capítulo 36

Quantas vezes vocês já desistiram de escrever, por qualquer que seja o motivo. Quantas vezes entre uma letra e outra a tecla backspace tomou conta do seu texto e com num instante ele já não estava mais lá? Ou então um ctrl+t + delete mesmo, é mais rápido e prático.
Acabei de apagar um scrap que nem cheguei a mandar para um dos meus 267 amigos orkutianos. Pior que era a coisa mais boba do mundo o que eu ia escrever, mas sei lá o que foi, um misto de o que ele vai pensar, se alguém ler e por que eu tô escrevendo isso, rsss. Não foi fácil não mandar o scrap e entrei e sai três vezes da página da pessoa (o orkut ainda não revela quantas vezes a mesma pessoa entrou na nossa página, né, rsss).

sexta-feira, 4 de abril de 2008

Capítulo 35

O texto a seguir é do Alexandre Aquino (Alf para os mais chegados, hehe.) Muito bom Alf, volte sempre!!!


A nova concepção do amor: Como conseguir viver uma relação amorosa no século XXI

Por muito tempo tentei entender porque não conseguia viver um relacionamento em que tudo fosse perfeito. Por que aquela história linda e bela que via nos filmes, nas novelas e lia nos livros jamais reinara em minha vida? Cheguei a acreditar que a culpa fosse minha e que eu era um fracasso nas questões amorosas. Comecei a refletir mais sobre o assunto e a observar os casais que por algum motivo não deram certo e aqueles que são "felizes" até hoje. Foi então que conclui que a culpa não era minha. Esperar encontrar algo perfeito havia sido o meu erro. A concepção da palavra amor deve ter perdido o seu sentido original. O século XXI mudou completamente a concepção desse verbete no dicionário e eu acredito que temos que começar a entende-lo melhor de acordo com a nossa nova realidade. Os casais que não deram certo não conseguiram tolerar os seus defeitos. Aqueles que vivem juntos se esforçam para superar as infinitas crises e ficarem ao lado um do outro em todos os momentos.
É importante lembrar que o ser humano erra e, por isso, aquele AMOR de conto de fadas onde tudo é bonito, onde tudo é certo, não passa de lenda, acredite, procurar esse tipo de relação hoje é estar fadado ao fracasso. Passei a pensar em como ser mais útil e tolerante para ter algo duradouro e talvez eterno ao lado de alguém. O Primeiro passo rumo a felicidade é querer estar ao lado da pessoa. E talvez esse seja o fator determinante para todo o resto. Os indivíduos acreditam que estão prontos para assumir uma relação, quando na verdade ainda não amadureceram o suficiente para isso. Mas se estivermos dispostos a seguir em frente, então já temos um bom começo. No entanto, o fato de querer alcançar a "felicidade" não nos livrará dos futuros problemas. O segundo passo é se esforçar para aturar os defeitos daquela pessoa e ter ciência de que brigas e crises certamente acontecerão. Se tivermos alguém que consideramos importante e quisermos tentar algo com essa pessoa não nos esqueçamos que o orgulho fatalmente destruirá a sua relação. Pois é, em alguns casos engolir desaforos e pedir desculpas não é vergonha nenhuma. Além de ser um ato nobre muitas vezes se torna uma saída para amenizar crises e fazer reconciliações. Por fim, é importante saber lhe dar com os sentimentos que se misturam. É isso mesmo! Casais que convivem durante muitos anos, tendem a misturar os sentimentos. Ora gostamos daquela pessoa como irmã, ora apenas como uma amiga, em certo momento até o instinto maternal ou paternal nos ataca. Nesse momento, o importante é manter a calma e dialogar (essa é sempre a melhor ferramenta temos que deixar de ser primatas) para que se quebre a rotina da relação. O fundamental é jamais desistir. Ai me pergunto: Por que faria tudo isso por alguém?
Simples, porque tenho vontade de viver momentos felizes. É aquela velha e sábia história: Depois da tempestade vem a calmaria. Se ambos estiverem dispostos a enfrentar estes problemas, se fizerem questão de serem cúmplices, então viverão momentos de grande felicidade juntos e poderão dizer para todos que realmente o verdadeiro AMOR (mas não aquele de novelas, filmes, livros e dos séculos passados) chegou em suas vidas.

domingo, 30 de março de 2008

Capítulo 34

Há coisas na vida difíceis de acostumar-se. Uma delas é ter de trabalhar aos finais de semana. Pior, o domingo, que era um dia sagrado, família, descanso, pra encontrar os amigos, tornou-se um dia comum, como a segundaou a terça. Ok, já devia ter me acostumado pelos incontáveis domingos, sábados e feriados em que trabalhei, mas é praticamente impossível se acostumar com essa situação. Se eu ainda ganhasse por hora, rsss. É como se a semana tivesse duas segundas-feiras, se uma já é ruim, imaginem com duas.

Capítulo 33

"Quando estou longe, quero estar perto
Quando estou perto, quero estar dentro
Quando estou dentro, quero estar mudo
Quando estou mudo, quero dizer tudo"
(Itamar Assumpção)

quinta-feira, 27 de março de 2008

Capítulo 32

Por que as pessoas insistem em escrever usando sinais do tipo ): :( :^ . Ok, deve estar tudo errado, não sei decifrar essas coisinhas, pra mim é o mesmo que %$******#@@@@@. Ou seja, nada. Essa falha na comunicação geralmente acontecia no msn, onde eu simplesmente ignorava o ícone desconhecido e continuava a conversa, sem saber ao certo se a pessoa tava bem alegre ou bem triste. Eis, que recebo um e-mail no trabalho: :) (acho que era isso e só isso) ; caralho, o que é isso?? Lá vou eu ler todos os e-mails anteriores, nem lembrava mais o que era. Hummm, eu tinha pedido ajuda pra próxima pauta e ela respondeu :), logo isso queria dizer ok, ótimo, legal, bacana e, então, por que não usar uma destas palavrinhas??? Juro que eu iria entender bem mais rápido. Bom, confesso também que é muita má vontade de minha parte em não me interessar em aprender. Acho que já sou uma daquelas velhinhas que se negam a usar as novas tecnologias :)

domingo, 23 de março de 2008

Capítulo 31

As pessoas estão em constante transfomação. Ok, concordo. E nem teria muito como discordar. Somos bombardeados por tantas informações que vem da TV, rádio, internet, conversas diárias e acontecimentos em nossas vidas que no final é praticamente impossível que tenhamos ainda a mesma opinião e ajamos sa mesma maneira que costumávamos fazer. É uma teoria muito bonitinha até, mas já pararam pra pensar no uma simples mudança no seu gosto musical por exemplo pode causar? Você entra no carro de uma amiga e tá rolando um som que você não faz idéia do que seja. Ela começa a falar sobre o trabalho e você só pensa por que raios aquilo tá tocando. Aliás, quem tá cantando isso? Ela continua a contar seus problemas profissionais e pede sua opinião. Merda, você não tava prestando atenção em nada do que ela disse. "Cadê o cd da Marisa Monte?", você pergunta na maior cara de pau, como se nenhuma pergunta tivesse sido feito a você no segundo anterior. "Ishi, nem curto mais", é a resposta que você ouve. Uma facada no seu pobre coração. Como assim não curte mais? Desde quando? Por que? Algum tempo depois, você consegue pensar que ela tem todo direito de mudar de opinião musical quantas vezes quiser. Mas porra, pra que mudar se o gosto já era bom? É isso que me pergunto tantas vezes. O exemplo do gosto musical é só um exemplo mesmo. Há exemplos maiores. Pessoas que mudam de roupas, atitudes, empregos, sonhos e vontades. Daí, no instante seguinte você não as reconhece mais. Por que algumas pessoas mudam se já são muito legais, do tipo que até com defeitos são perfeitas? Talvez elas não se sentissem tão a vontade e decidiram que era hora de mudar. Mas pra quem tá do lado é um susto. Aí você se questiona o quanto suas constantes mudanças também te transformaram em outra pessoa? Será que sou outra? Será que também estou tão irreconhecível? Será que um dia voltaremos a ser o que éramos? Não, nessa pergunta você percebe que nada do que foi será de novo do jeito que já foi um dia. Nem eu, nem você, nada, nem ninguém.

sexta-feira, 21 de março de 2008

Capítulo 30

Eva Longoria sem maquiagem. Essa era a notícia da capa do globo.com. Me preparei psicologicamente pras fotos que iria ver. Mais uma celebridade que sem um pó/base/corretivo não é nada. Quer dizer até é: uma pessoa assustadora. Hesitei alguns segundos (minha curiosidade sempre ganha, hehe) entre clicar e não clicar. Poxa, se eu abro e vejo que a mulher é o cão chupando manga, como é que eu posso continuar a assistir Desperate Housewives e querer ser ela? (É, eu não consigo ser imparcial. Tenho sempre um personagem preferido) Já me assustei com tantas famosas sem maquiagem, Jennifer Lopez, Madonna, Britney Spears, Christina Aguilera, Drew Barrymore e por aí vai, já que a lista é bemmm extensa. Bom, bastou um clique com o botão esquerdo do mouse para descobrir que ..sim, ela é linda até sem maquiagem!!! Ufa, que alívio, posso continuar dizendo que quando crescer quero ser parecida com ela, rsss.

Capítulo 29

No dia em que fui mais feliz..... esta é a primeira frase de Inverno, música de Adriana Calcanhoto. O resto da letra eu não sei, apesar de já tê-la ouvida centenas de vezes. Mas é incrível a viagem que essa música proporciona. Toda vez que a escuto é como se um filminho com todos os dias mais felizes passassem pela minha cabeça. Dias que tinham tudo pra serem lembrados como os piores, inexplicavelmente ficam marcados como os melhores. Bom, aí quando acaba a música bate uma nostalgia que vem acompanhada com várias interrogações. Quando será o próximo dia mais feliz?