quarta-feira, 26 de novembro de 2008

Capítulo 121

Vicky Cristina Barcelona - Sabe aqueles filmes com uma grande história, que em determinado momento há uma transformação na vida dos personagens e nunca mais eles são os mesmos?? Não é este o caso desta película. Woody Allen dispensa comentários, é bom até quando é ruim (nunca achei nada ruim, mas há controvérsias). VCB é um filme tão fácil de se identificar. Começo, o grande acontecimento da história e os personagens não se tranformam em pessoas diferentes da que começaram por causa disso. Eles continuam os mesmos, com uma bagagem cheia de experiências, mas ainda são os mesmos. Nenhuma mudança radical no estilo de vida, cabelo, profissão, gostos, nada. Igual na vida, é impossível mudar tão drasticamente, mas é tão mais possível acumular experiência e viver bem com elas. Recomendo pra todas aquelas pessoas que colocam frases no msn do tipo "eu vejo um novo começo de era", "vida nova", e etc, etc, etc; para quem quiser suspirar com a beleza (em todos os sentidos) de Javier. Hummm.. tá, hay las chicas Scarlet e Penelope.

sexta-feira, 21 de novembro de 2008

Capítulo 120

A velha lanchonete de sempre. Mesa lotada. Todo mundo rindo, bebendo, aquela alegria, parece um comercial de cerveja. Chega a garçonete. Ela coloca um chocolate gelado na mesa. Todos param, olham para aquele copo, se entreolham e uma única dúvida "quem foi que a essa hora da madrugada pediu um chocolate?" .

- Quem pediu isso? - perguntou a Pulis (que tem um Q, R, S, Tudo de Phoebe)
- Você.
-Eu????????????????

Comentários, risadas, todo mundo zoa a Pulis.
- Moça, eu não pedi isso.
- Pediu sim, você foi até o balcão e disse "Eu quero um Nescau".
- Não, eu fui até o balcão e disse "Eu quero uma Skol"

O Nescau ficou, já estava ali mesmo, não é? E estava bom, muito bom.

Capítulo 119

Bem que dizem que os três primeiros meses são os melhores de uma relação. Depois, ah, depois a gente sabe o que acontece, né. Dessa vez foi o banco. Tudo começou quando eles 'esqueceram' de mandar a fatura do cartão. Até tudo bem, minha memória é ótima, eu sei o dia de vencimento, fui lá e paguei. Bom, minha memória é ótima mas eu não sou nenhum robô para me lembrar de todas as senhas desse mundo. Já sei de um cartão, saber a senha de dois é demais, né. Vou até a agência com a maior boa vontade, explico toda a situação, reclamo que se o banco me mandasse uma folhinha só com a fatura do meu cartão ele não seria menos sustentável (os bancos são tão preocupados com isso, ai ai). Depois de duzentas tecladas, ela descobriu o problema.
- Seu cartão está no débito automático.
- Você tá de brincadeira, né? !! Eu jamais faria essa opção - (Nunca, jamais, em tempo algum) - Eu paguei no mês passado, não teve débito nenhum.
- Mas tá aqui...
- Então tira daí. Moça, eu só quero pagar a conta.

Geováaaa, é tão difícil assim?? Eu tento muuuito ser uma boa cidadã, muito, do fundo do meu coração, mas essas pessoas tão espertas que trabalham em bancos não permitem. A conta venceu. Não foi paga. Assim que lembrar a senha, eu juro que pago.

quinta-feira, 20 de novembro de 2008

Capítulo 118

Um dia você percebe que seus pais não se importam mais tanto com você. Meia-noite, você está fora de casa, não tem carro, depende do transporte público e eles nem ao mesmo ligaram para saber onde você está. Poxa, não é possível que eles se contentem só com a outra filha, afinal, você é a artista da família, ehheheheh. 00:08 celular toca. Sabia que eles não me esqueceriam assim tão facilmente. Não era nenhum dos dois. Era a caçula. Oi, tudo bem, onde você está..

- Foi a mãe que mandou vc ligar?

- Não.

- Ah, foi o pai?

-Não. Eles já foram dormir há séculos.

Como os meus pais dormem mais tranquilamente hoje em dia do que há dez anos?? Se eles soubessem que eu faço mais besteiras agora, hahhhhah....

- Ué, quem foi que mandou vc ligar então?

- Liguei porque tá tarde, vc não avisa onde tá, vc bem é foda. Volta com alguém aí, não vem de ônibus sozinha e toma cuidado.

Meu Deus, minha irmã virou minha mãe. Mas peraí, preocupação de irmã mais nova?? Ela tá querendo meu quarto, que é maior e melhor, só pode ser isso. Poxa, mas ela se importou de verdade comigo, eu senti o tom da voz dela. Olha, até daria meu quarto pra ela .............

Lí, se vc ler isso, saiba que foi uma pegadinha, hahahhaha, jamais te daria meu quarto, mas o meu amor por vc é de verdade!!!

Capítulo 117

A mesma lanchonete de sempre. A mesma dúvida cruel de sempre na hora de fazer o pedido. Momento em que todos tornam-se muito sociáveis e questionam o que cada um vai comer e beber.
- E aí Jubs, que vai pedir?
Duas horas olhando o cardápio.

- O mesmo lanche de sempre e uma cerveja.

- Não, olha esse lanche aqui, deve ser bom, do que será que é?

- Ahh, pergunta pro Ratatouille (nosso garçon exclusivo, hahah)

Ela pergunta e ele prontamente responde:

- Não, isso não é lanche. É só uma figura ilustrativa.

Você ri muito, muito, muito, a lanchonete inteira descobre que vocês estão ali e sua amiga tem um ponto de interrogação na cara.

- Figura ilustrativa?

- É, o lanche não vai sair assim não, aqui nunca. Eles dão uma melhorada na foto, sabe como é? A gente não tem esse pão.....

- Tá, tá bom, traz o lanche de sempre.

Simples, o tradicional nunca sai de moda e sempre vem igual.

quarta-feira, 19 de novembro de 2008

Capítulo 116

Por que demoramos tanto pra fazer algo que um tempo depois parecerá tão óbvio que é o que já deveríamos ter feito? Será aquela mania de achar que se dá pra fazer depois por que fazer agora? Tudo bem quando trata-se da limpeza do quarto, terminar de escrever uma matéria, pagar uma conta ou retomar uma monografia, mas adiar algo que traz uma boa sensação não faz muito sentido. Ainda bem que sempre é tempo e que tudo acontece na hora certa.

quinta-feira, 13 de novembro de 2008

Capítulo 115

Sempre que estamos numa conversa mais 'interessante' com alguém no msn, aparece um engraçadinho do seu lado que não contente em ler um pedaço do bate-papo ainda faz gracinhas:

- Hummm, conversando com o 'fulano' !!!! (Bemmmmm alto)
-Shiiiiiuuuuu.. fala baixo.
- Por que ele tá aqui? (Olhando pra todos os lados, dando a maior bandeira)
- Não, mas não é um nome comum, as pessoas sabem......
-Entendi...

Você pensa que tudo está sob controle, que já pode voltar pro msn, quando:

- Ahhhhhhh, não existe só um 'fulano' no mundo (Alto, alto, bemmm alto)

terça-feira, 11 de novembro de 2008

Capítulo 114

"Não precisa tirar as crianças da sala para assistir aos curtas, mas convém tirar o marido: o apresentador é o Rodrigo Santoro." Ahaahaha, muito engraçadinha a propaganda da AXN. Concordo, pelo Rodrigo Santoro vale tirar o marido, as crianças, arrastar o sofá pra lá e por aí vai.....

Capítulo 113

O cep continua o mesmo, 90210, mas o conteúdo, quanta diferença. Por que as séries pra 'jovens" só têm gente magra? Bom, magra sou eu, elas são todas anoréxicas, com boas roupas, cabelos de comercial de xampu (nada contra, eles são lindos e o efeito na tv é ótimo), com preocupações tão, mas tão fúteis que a única que eu consigo pensar é "humf, coitada". Quem é o ser que escreve esses diálogos?? Fiquei tão entusiasmada com a volta de Barrados no Baile, mas depois de assistir aos dois primeiros episódios percebi que jamais seria igual ao que foi. E não adianta ressuscitar antigos personagens se eles forem o elenco de apoio. Vi duas horas, sentadinha, sem mudar de canal (muuuuito raro, não faço isso nem vendo filme) e quando acabou eu só pensava "Cadê os Walsh???"

Capítulo 112

Homens, homens.... me esforço tanto para entendê-los. Tenho os achado bem mais complicados que as mulheres... Meu Deus, onde estão os homens decididos, práticos??? Afffff..... o que está acontecendo? Só peço um que se salve, um único ser e nem precisa ser do meu top 5 porque aí sim seria pedir demais!!!

domingo, 9 de novembro de 2008

Capítulo 111

"A minha maneira de brincar é dizer a verdade. É a brincadeira mais divertida do mundo" (B.S.)

quinta-feira, 6 de novembro de 2008

Capítulo 110

Dentre tantas manias estranhas que os homens têm, há uma que um pouco me incomoda, andar com fotos 3x4 na carteira. Geralmente são de filhas, namorada, esposa, mãe e até a irmã. Por que? Várias vezes já me deparei com a situação "ah, sua filha deve ser uma graça, né" e a pessoa rapidamente saca da carteira um mini book, com diversas 3x4. Vejo pela carteira do meu pai, tem mais foto lá do que dinheiro. Eu digo pra ele que um dia ele vai ter que deixar os cartões do banco em casa para não abrir mão de andar com as fotos do clã Portugal por aí (tá certo que a genética contribuiu, hahhahaah)Mas por que andar com fotos?? E não é mania de gerações mais antigas, tenho muitos amigos da minha idade que fazem isso. Ah, quero minha foto 3x4 em outra carteira que não seja a do meu papis. Poxa, tenho umas 3x4 muito boas, hahhahahah. Da próxima vez que eu for namorar já posso até imaginar como será:
- quer namorar comigo?
- só se você colocar minha foto 3x4 na sua carteira. e só a minha.

Capítulo 109

Se conseguir entrar no metrô de manhã já é uma missão impossível, que dirá um lugarzinho para se sentar. Depois de um bando de gente descer na Sé, e incrivelmente o vagão continuar lotado, você vê dois lugares, sendo que um deles é um banco cinza, e já que seu amigo sentou no outro, é o que sobrou pra você. Nenhum idoso, nem deficiente, nem grávida ou mulheres com criança de colo, você senta com a consciência tranqüila.
- Parece que todo mundo fica está olhando pra saber qual a minha condição de sentar aqui.
- Relaxa.
- Ah, tudo bem, qualquer coisa eu tô grávida.
- Ahahhahah, com essa barriga aí não dá nem pra falar que você tá com um mês.
- Ué, e se eu tivesse grávida de verdade, não ia poder sentar nesta porcaria de banco?
- Juliana, até lá você não vai mais andar de metrô. Pensa: glamour, glamour, glamour!!!

quarta-feira, 5 de novembro de 2008

Capítulo 108

Obama, precisando de uma segunda-dama, é só ligar!!!! Yes, we can!!!

terça-feira, 4 de novembro de 2008

Capítulo 107

Morar na maior cidade do Brasil tem as suas desvantagens. Uma em especial muito, muito, mas muito me incomoda: a sinalização. Ou a falta dela. Por exemplo, uma ida ao parque Villa Lobos, simples, você sabe que é no comecinho na marginal Pinheiros, não há como se perder. E outra, um dos parques mais conhecidos de SP, não é possível que não tenha uma mísera placa. Diante de tantas impossibilidades de se perder no caminho, você aumenta o som, vai cantando alto com a sua amiga, falando sobre a vida, como o trânsito está ótimo,que poderíamos ter saído mais tarde, e quando você percebe está passando pela estação Vila Olímpia.
- Mari, acho que a gente se perdeu...
- Também tô achando o próximo bairro já é Morumbi....

Retorno, que pra ajudar não cai direto na Marginal - quem foi o burro que construiu essa porcaria?? - anda sei lá mais quanto até conseguir voltar pro sentido certo. E nenhuma placa do parque. Três paradas em postos de gasolina para ter certeza que não tínhamos passado dessa vez e a mesma informação "depois do shopping à direita". Jeováaaa, onde fica esse shopping?? Poxa, shopping é grande, é chamativo, impossível não termos visto.
- Mari, acho que esse shopping não existe, deve ser tipo aqueles da Paulista, tem duas lojas e meia dúzia de restaurante e o povo chama de shopping.
- Ah, é aqui, olha!!

Fala sério, o shopping é coberto por uma mini floresta, metade das árvores de São Paulo estão na frente do shopping, é óbvio que a gente não ia ver. Nenhuma placa, nenhuma, nenhuma!!!! Na volta pra casa, passando pelo shopping Tatuapé pensei no seguinte, duvido que alguém que tenha que ir até o shopping Tatuapé se perca, você o vê logo que pisa na radial. Tá bom, é exagero, mas bem antes de chegar você o vê. Muito mal rabiscada esta cidade, viu.