sábado, 27 de dezembro de 2008

Capítulo 148

O Ministério dos Blogs alerta: esse blog não está em recesso. Podem ler a vontade!!!!

Capítulo 147

Já contei que o Charles Aznavour não pára de me ligar? Nem atendo mais, cai na caixa-postal e ele canta a cada recado "she" pra mim. Charles querido, deixa disso, vai...

Capítulo 146

E se um dia eu casar?
E se um dia eu casar e tiver a minha própria casa?
E se um dia para acabar com a tranquilidade da casa eu tivesse três lindos (não basta tê-los, eles têm de ser belos) filhos?
E se um dia eu tiver um cachorro que talvez seja o pior cão do mundo?
Ok, a história já existe e é um sucesso. E quando li (yes, I did it) fiquei preocupada. Era uma história real baseada numa coluna de sucesso de um jornal. Perceberam o que faz sucesso no jornal? Falar de cachorros, seus problemas, alegrias. É meio óbvio que continuar escrevendo sobre micro e pequenos empresários, economia não vai me levar a lugar algum, né. O livro rendeu milhões, o filme segue pelo mesmo caminho ( e eu me sinto muito contente por contribuir). Depois de um ano vendo/ lendo filmes que são super tudo, posso dizer que o filme do cachorrinho é fofo. Daqueles que daqui dez anos estará passando na Sessão da Tarde - que existirá pra sempre- e minha pequenininha irá dizer:
- Mamãe, é igual o nosso cachorro, só que o nosso é mais bonzinho, né?
- É, meu bem, porque senão a mamãe tinha acabado com a raça desse cão no primeiro dia, mandado o papai pra longe e ainda teria aquele vida "super legal" de jornalista, mas eu optei por ser uma Grace Kelly, sem a monarquia, claro!

Capítulo 145

Sabe o que é mais engraçado em rever um filme? Descobrir atores que na época que viu você não fazia a menor idéia quem eram e que um dia eles seriam muy famosos. Há oito anos assisti Sabor da Paixão (não é lá essas coisas e é uma mistura só: Penelope Cruz, Salvador,Murilo Benício, todo mundo falando inglês, uaua), mas zapeando pela TV vi o filme e o dei outra chance. Tá, queria ver o inglês do Murilo Benício. Eis que surge a cena dele, "ok, vou reparar e....peraí quem está na cena com ele??". Yeah, Lázaro Ramos e Wagner Moura quando ainda não eram o que são hoje. Meu, esses caras nasceram juntos??? Eles estão sempre juntos, em milhares de filmes, programas de tv, etc, etc...Que medo, tenho certeza que o objetivo deles é o de ser a primeira coisa a ser lembrada quando se pensa na Bahia, sabe aquelas pesquisas: "O Pão de Açúcar é a imagem que vem a cabeça quando se fala em RJ, WM e LR são a BA. Ò... ser ou não ser, eis a questão... o que será mais nobre para o espírito humano.... (cuidado, um dos meus objetivos é escrever os monólogos de hamlet aqui)

sexta-feira, 26 de dezembro de 2008

Capítulo 144

Sexta-feira de plantão, preguicite aguda. Deixo vocês com um texto do Humberto Maia Junior (que prometeu ainda escrever muitos outros textos :P)



Era o amor da vida dela. Tinha certeza disso. Mas nunca tivera coragem de se declarar. Também, ele fazia o maior sucesso no trabalho. Claro que conversava com ele. Diariamente. Havia seis meses. Mas não saía disso. Um dia ela decidiu: quando surgisse a chance, iria agarrá-lo, mas de um jeito para nunca deixar escapar. Até que ele foi à lanchonete pela escada de incêndio. Era tarde, não seria interrompida. Ficou esperando que ele voltasse. Ela ouviu os passos. Ele descia. Passou direto. Ela não disse nada. Ele estava com o dedo no nariz.

quarta-feira, 24 de dezembro de 2008

Capítulo 143

What if you made different choices?

What if you said yes instead of no?

What if you got a second chance?
.................................................

Feliz Natal!!!

sábado, 20 de dezembro de 2008

Capítulo 142

Partindo do fato de Portugal somente ter assinado o novo acordo da língua portuguesa e nada de marcar uma data pra que entre em vigor, isso tudo é bem bizarro. Alguém acredita mesmo que mudar as regras gramaticais irá estreitar os laços Brasil-Portugal? Não honey, não vai. Há mais de um oceano que nos separam e não é a queda de um hífen que irá nos juntar. O pior de tudo é que as regras não tem pé nem cabeça. Quem teve a idéia ridícula de tirar o acento da ideia? E aqueles itens que terminam com "etc"??? Onde já se viu o item de uma regra terminar com etc??? Meu, não sabe o que mudar, não muda. Não tem argumentos suficientes para sustentar essa mudança, não faça nada. Também não invente nada pior. O mais "legal" é que a partir de 1º de janeiro terei um cuidado triplicado ao escrever (é, às vezes nem parece que eu me preocupo). Não quero me tornar uma velhinha resistente as mudanças que no final de sua vida ainda terá uma "idéia", (Agora eu entendo os velhinhos da minha infância que escreviam pharmácia, pobrezinhos) é essencial se transformar, desde que faça sentido. Se eles quisessem mesmo facilitar a vida de todos, eles deveriam era excluir a crase de uma vez por todas. O mundo seria tão melhor sem ela. Fica aí minha sugestão. Diante disso, há como negar que tudo (coisas, pessoas) com alguma relação com Portugal são complicadas e muy confusas? Ora pois....

Capítulo 141

Lembro que na faculdade fiz um trabalho em grupo já sei mais ao certo sobre o que que era, mas falamos na apresentação sobre a necessidade que o homem tem de um herói, um exemplo e assim, canalizar nele todas as suas expectativas. Seria um meio, ne verdade, para que se algo saísse fora do esperado, a culpa não ser da pessoa, mas do ídolo em questão. Bom, o trabalho era bem mais complexo do que isso e devem ter outros detalhes que possivelmente me esqueci. Mas tudo isso era só pra dizer que como é fundamental termos alguns modelos. Quando o tema é relacionamento então, desde muito cedo temos uma infinidade de casais que irão nos inspirar. Nos contos de fada minha história preferida era (e ainda é) A bela e a fera - Esses contos parecem que são pra criança, mas a lição é para os adultos. Ou talvez, seja mesmo para as crianças, para que aprendam enquanto são pequenos e não façam tantas bobagens quando forem gente grande. - bom, o grande lance e simples é gostar da pessoa pelo que ela é, independentemente do que ela tenha ou de sua aparência.Depois vieram os casais fofos de seriado: kevin e winnie; brenda e dylan; kelly e brandon e, uma dúvida eterna, por que eles não acabaram juntos? Ah, tiveram também os casais da vida real. Primeiro, Tom Cruise e Nicole Kidman. Separados. Segundo, Brad Pitt e Jennifer Aniston. Separados. - A minha sorte atinge até aqueles pelos quais eu torço - Apesar do histórico, não deixei de ter um casal preferido. O do momento é Seal e Heidi Klum. Não sei qual o critério para eleger um, acho que meio que olho, vejo que combinam, eles parecem se gostar de verdade (tem tanta enganação por aí) e pronto!! Lá estou eu adorando aquele casal. Ok, não se preocupem, não sou tão pé frio assim. Também adoro Celine Dion (ah, todo mundo tem um ladinho meio brega e o meu é bem fofo, heheh) e o seu Reneé, tão incrível um homem hipotecar a própria casa para apostar na carreira profissional de uma mulher, que até então, nada era dele.

sexta-feira, 19 de dezembro de 2008

Capítulo 140

Lembrei de mais um título ótimo - Capítulo 138 (nada como abrir a geladeira pra pensar na vida)que certamente teria a minha autoria: Drama queen - você pode ser uma (mentira, é um dom, mas acreditar é o começo de tudo) - Parei por hoje, sério mesmo.

Capítulo 139

A madrugada é tão inspiradora, né.... Não consigo parar de escrever

Capítulo 138

Já notaram como qualquer coisa pode virar um livro hoje em dia?? E o mais fantástico (no sentido mais irônico da palavra, por favor) você não precisa ser especialista em merdinha nenhuma pra dizer várias merdinhas que vão vender. E muito. Fez uma viagem para a China? Isso é incrível, a China está todo dia nas manchetes, escreva sobre as diferenças culturais, o que viu por lá, mesmo que pouco importe a uma pessoa que aqui mora. Você leu a obra de Machado quando estava no colegial e agora acha que é um especialista sobre o autor? Faça um livro dedicado à ele. Curtiu muito sua adolescência e saiu por aí adoidado? Meu bem, faça um guia com as melhores baladas de todos os tempos. (São sempre as mesmas, nos mesmos lugares, elas só mudam de nome, ninguém percebe isso?). Realizações pessoais também rendem um bom dinheiro às editoras. Conte para o grande público como enriquecer, o que uma mulher inteligente deve saber (vamos combinar que se ela fosse mesmo inteligente ela já saberia, né) e por aí vai (não vou nem mencionar Paulo Coelho, ops, já o fiz, vocês sabem...).....Quando penso em como as livrarias estão tomadas desses temas, de como eles vendem, não consigo imaginar que eu também poderia faturar uns trocadinhos com essa fase. Sério mesmo. Vi, revi, ainda vejo os episódios de Friends, poderia escrever sobre; ou então "os bastidores do jornal que você lê todos os dias" (acho que não seria muito legal, porque muito provavelmente eu seria mandada embora, hehehe); como conquistar um homem (só garantimos a conquista, o resto é com você, honey), como sobreviver as micaretas (aí teria de inventar bastante, porque até hoje não sei como isso foi possível); há uma infinidade de assuntos que podem virar livros que qualquer um pode escrever, ganhar e eu aqui escrevendo de graça. Mas o prazer que eu sinto aqui no blog, com os comentários de vocês, etc, dinheiro nenhum nesse mundo paga. Ahh, lembrei de outro: Frases de efeito - tenha sempre uma a mão - você irá precisar.

Capítulo 137

Às vezes, temos de dar o braço a torcer mesmo.
Há 10 anos eu odiava N´sync (ainda não gosto, thank God, they´re gone) e nada mais natural de uma fã dos BSB (a vida era tão mais inocente quanto BSB era só Backstreet Boys e não Brasília). Mas como dizem, nada como o tempo para mostrar quem as pessoas realmente são. Infelizmente, confesso, os meus queridos do Bsb se perderam no meio do caminho. O que sobrou da safra masculina pop de 10 anos atrás?? Mister Timberlake. Simm, o vocalista cabelo de pipoca do N´sync, namorado da Britney é o fruto bom daquele tempo. Há um tempo me rendi ao som do Justin, bem melhor do que no passado, claro, mas o garoto é talentoso e manda bem, quem diria, né? what goes around ..comes around!!

Capítulo 136

Quando não faz click, esqueça, é, esqueça mesmo, porque não adianta.
Dar uma, duas, três, e mais algumas chances é perca de tempo.
E o bom, é que com a experiência você sempre sabe que é melhor ir embora quando não dará certo.

segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

Capítulo 135

Se alguém perguntar por mim, diz que fui por aí...

sexta-feira, 12 de dezembro de 2008

Capítulo 134

E assim surgem vestidos da sorte (Parte 1)

- Forma de pagamento?
- Cartão.

Se bem que você nem sabe se deveria levar mesmo. Qual a chance dele se juntar aos outros no seu guarda-roupa e ser mais um? Mas já que vai levar, leva no cartão, sempre no cartão. Não dá uma sensação que você não gastou pagando com cartão? A intenção de quem criou deve ser essa mesma. É ótima, funciona, adoro!! Mas cadê o bendito cartão? Revire sua bolsa mais bagunçada que quarto de adolescente, não, ele não está perdido por lá. Ah, deve estar na carteira mesmo. Aí acontece aquela cena suuuper chata: 1- A atendente acha que você experimentou a loja inteira e na hora de pagar vai dar um golpe ou 2 - A atendente que mesmo fazer a venda e te ajudar a encontrar o cartão. Detalhe: na sua carteira.

- Não é esse aí?
- Não, esse é o de crédito.
- E aquele ali?
- Moça, esse é da farmácia. (Por que raios eu tenho um cartão da farmácia)
- O debaixo?
- Nãoooo, esse é crachá do jornal. Ah, olha a minha foto, a melhor 3x4 do mundo. (Muito orgulho dessa foto, ficou realmente óoootema)

Pensa, pensa, qual foi a última vez que você viu seu cartão? Hummmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm..... na padaria. Merda, ficou lá. Corre até a padaria.

- Oi moça, tudo bem, eu esqueci meu cartão aqui e tipo assim eu queria ele de volta.

A atendente te olha com uma cara "ganho mal e ainda tenho que aturar gente avoada" :

- Qual o seu nome?

(Como assim qual o meu nome?? Quantas pessoas esquecem o cartão numa manhã qualquer na padaria?)

- Juliana. Portugal. Juliana Portugal. Juliana Portugal. (Adoro meu nome, tão sonoro: And the Oscar goes to Juliana Portugal)

- Tá aqui ôo. - (Odeio esse ôoooo)

- Ué, você vai me dar o cartão assim mesmo, sem pedir um documento, sem saber se sou eu mesma? (Eu tenho muita credibilidade mesmo, hein. Exemplo: Oi Brad, sou a Angelina Jolie!! Será que funciona??)

- Nao é seu?

- É.

- Tenha um bom dia

(Groooooooooooossa. Nunca mais volto nessa padaria. Porque eu só esqueci meu cartão pelo péssimo sistema de pagamento que tem lá. Onde já se viu pagar no fundo da padaria, e na saída tem que entregar comanda, comprovante de pagamento, tudo, é demais, né)

Volta pra loja. Paga o vestido, aquele que você nem tinha muita certeza que levaria. Pronto. É o meu vestido da sorte.


Como suas preocupações são ignoradas pelos demais (Parte 2)


Chega no trabalho, conta toda a sua aventura com o cartão e acrescenta sua preocupação:

- Meu, já pensou se clonaram meu cartão?
- É mesmo, porque os donos de padaria têm a máquina de clonar.
- Jura??
- Claro que não, né.

(Droga, acreditei). Mas será mesmo que meu cartão saiu dessa ileso??

- E se alguém gastou meu dinheiro? (Preocupação de gente que dá tchau de mão fechada. Esses têm um grande futuro: ficarão ricos) É melhor eu tirar um extrato.

- Pra usar seu cartão eles iam precisar da sua senha e como eles saberiam?

- Oras, tentando.

- Na terceira tentativa bloqueia.

Humf, e se eles conseguiram antes? Ai, tranquilidade só depois de ver o extrato.

Capítulo 133

Nada mais agradável que trabalhar com uma TV, na sua direção, sintonizada na novela que tem a maravilhosa presença de Rodrigo Santoro. Ai, ai........

terça-feira, 9 de dezembro de 2008

Capítulo 132

Everybody hates Juli.
Juli hates (almost) everybody.

Capítulo 131

Suri pode se lambuzar de chocolate, fazer uma dúzia de caretas (ôoo menininha linda); podem descobrir mais uma centena de pessoas embarcando/desembarcando com altas quantias de dinheiro escondidas pelo corpo, mas a grande notícia de hoje é o Ronalducho, ops, Ronaldo no Corinthians. Não importa se ele curte modelos, travecos, se vai se encantar com um pagodinho no Tatuapé, se está acima do peso (e está, Geováa, como está); fazendo gol, nada disso importa. Humm.. artilheiro de Copa do Mundo, hehehe, "tamo" bem, hein!!!!

segunda-feira, 8 de dezembro de 2008

Capítulo 130

Tenho grandes problemas com finais que não tenham a famosa frase " e foram felizes para sempre". Lembro que o primeiro dessa série que eu vi foi em Anos Incríveis. Depois de passar boa parte da minha infância vibrando com as histórias de Kevin Arnold, fiquei perplexa quando cada um seguiu o seu caminho, em direções bem contrárias. Fiquei tão decepcionada, mais tão descrente de um final feliz que não tinha vontade de assistir mais nada - e olha que eu amo tv. Lembro que minha prima até inventou que a tv não tinha passado o último capítulo, aquele que eu vira era o antepenúltimo, pois no último sim, eles ficavam juntos. Fingi que acreditei, mas no fundo sabia que aquilo não tinha nada de verdade. O tempo passou e eu continuo achando o seriado um dos mais geniais que eu já vi. E apesar de ainda torcer por um "happy end", tenho certeza que o final foi um dos melhores: realista.

Capítulo 129

Pizza é igual chocolate: não há como parar de comer enquanto ainda houver um na caixa.

sexta-feira, 5 de dezembro de 2008

Capítulo 128

E depois dizem que o Rubinho não é pé frio. Pobre Honda, pobre Senna, pobre di Grassi.

Capítulo 127

Genial a idéia de colocar o número do ônibus no vidro traseiro. Sério mesmo. Os dias de corrida atrás do 'busão' (que palavra feia, hein) errado ficaram no passado.

quinta-feira, 4 de dezembro de 2008

Capítulo 126

Pra que casar, não é mesmo? O IBGE hoje apresentou dados que só comprovam que cada vez mais as pessoas se separam, um aumento de 200% em 23 anos, não é incrível? O pior, o número de pessoas que se casam também é grande. Conclusão: aquela velha história, quem está dentro quer sair, quem está fora quer entrar. Agora, você gasta uma bolada com vestido, bolo, igreja, convites, comida, bebidas, casa, reformas, etc, etc, para um dia todo esse "investimento" virar uma estatística. Não, obrigada. É preferível manter distância do altar.

quarta-feira, 3 de dezembro de 2008

Capítulo 125

Como um detalhe muda todo o rumo de uma conversa:

Me - .... aquela, na mesa do canto..

He - com um cara?

Me- O que é gay? É, ela mesma.

He - Ele não é gay.

Me - Ahahahha, lógico que é. Está na cara.

He - Ele é casado, tem até filho.

Me - Nãoooooooooooooooooooooooooo. Então, ele está louco a procura da maçaneta para sair do armário.

He - A gente vai passar por eles, repara na aliança dele.

He - Viu?

Me - Vi, e você viu também que ele faz as sobrancelhas?

He - Ahahahah, não. Olho de lince.

terça-feira, 2 de dezembro de 2008

Capítulo 124

Drummond, sempre tão bonitinho.

O amor antigo

O amor antigo vive de si mesmo,
não de cultivo alheio ou de presença.
Nada exige nem pede. Nada espera,
mas do destino vão nega a sentença.

O amor antigo tem raízes fundas,
feitas de sofrimento e beleza.
Por aquelas mergulha no infinito,
e por estas suplanta a natureza.

Se em toda parte o tempo desmorona
aquilo que foi grande e deslumbrante,
o antigo amor, porém, nunca fenece
e a cada dia surge mais amante.

Mais ardente, mas pobre de esperança.
Mais triste? Não. Ele venceu a dor,
e resplandece no seu canto obscuro,
tanto mais velho quanto mais amor.

Capítulo 123

Momentos como este, em que esquecer uma palavra, podem criar muita confusão. Ou proporcionar muitas risadas.
Mulheres discutindo sobre qual a melhor posição para se dormir. Irmã-quase-fisioterapeuta espera todo mundo contar a maneira que dorme, como se sente ao acordar, para dizer:

- O jeito certo é: de lado com um negócio entre as pernas.

Instantâneo. Olho pra ela com uma cara tipo "saca a besteira que vc falou?". Sim, ela percebeu, mas era tarde e eu não podia perder a piada:

- Que tipo de negócio? AHahaahhaha
- tsc, o negócio........- e a palavra não vem, você está achando tudo super engraçado, até a tia arrumar a situação:

- É melhor dormir com um travesseiro entre pernas, se colocar um negócio aí que ninguém dorme mesmo.

Capítulo 122

A necessidade de mudança aparece assim, do nada. Ou então, vem há tempos, mas só em determinado momento aparece mais viva. Juro que só ia limpar o vidro do meu quarto (super precisava, coitadinho), mas foi só dobrar a cortina, tirar tudo da cama, aquela olhada geral no quarto e pronto: vou mudar tudo de lugar. Livros pra lá, bonecas (não, eu sou criança, mas não tenho onde guardá-las), enfeites pro outro lado, um monte de coisas pro lixo. Ficou parecendo novo. E ainda estava limpo, heheh, eu tenho meus momentos 'Amélia'. Dia seguinte. Ainda não satisfeita, acreditava que precisava de mais mudanças. Óbvio que sobrou pro meu cabelo. Sempre sobra, mas ficou bom, juro que ficou. O faniquito por mudança continua, com menos opções agora. Vou esperar mudar de ano, talvez passe.