segunda-feira, 31 de agosto de 2009

Capítulo 274

Uma das melhores invenções sem sombra de dúvida é a fotografia. (É com uma dorzinha no coração que falo isso porque eu AMO o telefone e sms) Mas a foto ela tem o poder de eternizar mais do que um acontecimento. Ela guarda um sentimento, um cheiro e um som. Ok, pode ser piração mas não consigo ver uma foto e não fazer toda essa associação. E pior, ou melhor, como preferirem, tenho vontade de tirar foto de qualquer momento "porque é legal olhar depois e relembrar esse dia" e outra, a memória da gente é super falível e um pedaço de papel (ou alguns kb) nos ajuda a reviver algo que já passou. Uma foto recente que eu queria colocar aqui pra ilustrar o texto não existe. É, foi um daqueles momentos que passam, ninguém apertou o botão, o flash não acendeu e a foto nunca existiu. Mas pra não passar em branco, tem uma antiga que é uma das minhas preferidas.




sexta-feira, 28 de agosto de 2009

Capítulo 273

A gente espera nove meses pra nascer; um ano pra dar os primeiros passos e as primeiras palavras; quatro para aprender a escrever; treze para não ser chamado mais de criança; dezesseis para poder votar; dezoito para dirigir, vinte e um para ter uma profissão.. é, acho que não fará mal esperar mais alguns segundos, minutos, horas, dias, semanas por alguém.

Capítulo 272

Como ser sacaninha com uma colega de trabalho:
Computador ligando...aparece o papel de parede com Patrick Dempsey (uma fase adolescente aos vinte e poucos)

Ela - Nossa Ju, que gato!! É seu namorado?
Você - Nã....é, é sim. (que mal tem falar que é, né mesmo? ela vai rir porque sabe com certeza que ele é um ator que mora a quilômetros daqui, etc, etc, etc)
Ela - Puxa, parabéns. E além de lindo ele tem cara de ser gente boa.
Você - Hum hum, ele é ótimo.

quinta-feira, 27 de agosto de 2009

Capítulo 271

A novela Caminho das Índias é um sucesso mundo afora. Meu humilde blog recebe diversas visitas diárias de pessoas que caíram aqui buscando capítulos (hãn hãn) da novela. A única vez que citei a novela foi no Capítulo 190 e foi um pequeno comentário mas se quiserem ler o post vale a pena, heheh, é sobre o Oscar 2009. Enfim, agora que descobri que a novela atrai tantas pessoas, tô pensando em reservar um pedacinho e comentar a novela aqui, que vcs acham? hahahahah..Ok,. é brincadeira, até mesmo porque abandonei esse folhetim no meio do caminho para as Índias. E sabe como é, tenho que me preparar psicologicamente para acompanhar a próxima novela das oito, do Manoel Carlos, novela do jeitinho que eu gosto com todos os clichês do Maneco. Assistir duas novelas seguidas é pesado para qualquer ser humano, aposto que a próxima será bem melhor, não terá narin, are baba, e todas aquelas dancinhas mega estranhas. Podem apostar.

terça-feira, 25 de agosto de 2009

Capítulo 270

E não é que num belo dia o chocolate não tinha mais o mesmo sabor? Sei lá o que aconteceu - será que perdi meu paladar infantil de um dia para o outro? Até enxerguei um lado bom, eu poderia ser uma dessas pessoas que fazem pedidos e prometem não comer mais chocolate até que sejam atendidas. Ok, seria como uma trapaça já que não seria nenhum sacrifício deixar de comer uma barrinha de chocolate que fosse. Sou eu mesma escrevendo isso? Eu que não posso (podia) ver um chocolate dando sopa, achava que era um inimigo e lá ia eu pronta para acabar com ele. Uma loucura com chocolate conhecida pelos meus amigos, tipo uma das minhas marcas registradas - vai desencadear um crise de identidade em mim - a ponto de que e-mail sim, e-mail não que um amigo que fazia tour pela Europa mandava tinha a palavra chocolate. (não fiquei só na vontade, ganhei uns na volta dele, hehe). Mas parece que essa doce e calórica paixão ficou pra trás. Fato é que não adianta vir com chocolate porque chocolate eu não quero mais comer.

segunda-feira, 24 de agosto de 2009

Capítulo 269

Sou do tipo de pessoa que acredita que qualquer coisa que passe pela minha frente pode virar um texto. Quantas vezes não comecei uma história e pensei que ela fosse muito boa mas que no entanto, se perdeu entre tantas palavras. Sorte têm os textos que conseguiram chegar ao fim. Esses tiveram começo, meio e fim. Talvez não fosse nada muito brilhante mas passaram por todas as etapas até a sua conclusão. Há coisas, entretanto, que não dá para precisar onde começam e muito menos onde terminam. Se observarem o trânsito na Marginal Tietê numa noite de chuva como foi a de hoje, é possível dizer onde é o início, meio e final de toda a confusão de carros que cada dia mais toma conta da cidade? O trânsito de São Paulo é igual sentimento: você não sabe bem onde começou, nem por quais vias ele vai seguir e muito menos se terá um fim.

Capítulo 268

Amo receber meu horóscopo personalizado. "...excelente período para resgatar laços.." Só faltou um "como fazer".

sábado, 22 de agosto de 2009

Capítulo 267

Eu deveria muito trabalhar na Abril. Na faxina do século, descobri um zilhão de revistas. A menina que começou com a Capricho - tenho capas históricas, como a da Gisele Bundchen quando ainda não era Gisele Bundchen, leia-se cabelos castanhos, lisos, e com um nariz bem desproporcionou para uma aspirante a top model, outra com Los Hermanos explicando quem eram as meninas das músicas, sabe como é, fã da Capricho é bem ciumenta. Bom, o acervo é grande.- e chegou até a Nova. Sim, com muita vergonha, eu confesso que já li a Nova. O melhor de tirá-las do meu armário, além de liberar um espaço considerável, é analisar que as capas são praticamente as mesmas. Digo, não só as fotos das mulheres suuuuuper sensuais mas também as chamadas. Se não errei os cálculos, a média é mais ou menos esta: 2507 ideias de sexo, guias para uma barriga chapada, peitos perfeitos e um bumbum de fazer inveja, 14 posições para chegar ao orgasmo e 21 fatos e fotos sobre o pênis. Ah, sem contar as diversas matérias de "como enlouquecer um homem". De verdade, toda mulher sabe que o que fazer para enlouquecer um homem: "o richarlyson não era do corinthians?", "só mais cinco minutinhos e eu tô pronta", "tenho certeza, vira à direita (e faz sinal com a mão pra esquerda)", ligar 15 vezes por dia, chamar a atenção no msn e por aí vai. No outro sentido acredito que toda mulher também saiba o que fazer. Fico feliz de nunca ter encarado a Nova como bíblia (conheço gente que faz isso, iuuhh) porque só de folhear uma edição fiquei cansada e super estressada: tem de ter o corpo perfeito (meu, eu AMO comer, isso não vai rolar nunca, nem que eu me mate de fazer ginástica e eu até tento manter uma disciplina com os exercícios físicos), cabelo mais sexy (entrei numas de deixar o meu crescer assim como ele bem quiser, tipo hippie, saca?), super bem sucedida profissionalmente (bem, eu tenho um emprego, carteira registrada, já tá bom, né? olha quantos desempregados tem no País, acho que isso é ser super bem sucedida nos dias de hoje) e por fim, o super namorado (tudo na revista é super) que vai colocar as super ideias de sexo em prática. E se ele não for perfeitamente perfeito para os padrões da Nova, ele vai virar um personagem das matérias "os tipos de homens que vc deve evitar". Ufa, é mega estressante e ainda bem que esses não são os requisitos para ser feliz. Revistas, vocês vão já pro lixo e não se fala mais nisso.

sexta-feira, 21 de agosto de 2009

Capítulo 266

Sinais de abandono de um blog: ao digitar o endereço você coloca .com no lugar de blogspot.com. Blog I lov u.

terça-feira, 18 de agosto de 2009

Capítulo 265

Res non verba.

segunda-feira, 17 de agosto de 2009

Capítulo 264

Se algumas coisas acontecessem do jeito que eu quero (ok, meio-total-egoísta) o mundo seria bem melhor e na boa, todos ficariam mais felizes. O problema é que na minha cabeça os meus planos surgem como traillers de filmes super divertidos. Na dos outros devem parecer um filme de terror ou algo do gênero. Por que tudo é tão complicado?

domingo, 16 de agosto de 2009

Capítulo 263

8h15. Como todos os dias, Cristina sai do elevador no quatro andar. Atravessa um longo corredor até chegar na sua mesa de trabalho. Ao dar uma olhada geral pelo amplo espaço, ainda de longe ela viu as flores. Apertou o passo, sem parecer desesperada, claro. Foi ele, pensava. Estava arrependido, claro, afinal, tinha sido só mais um desentendimento bobo, numa conversa boba e que na qual eles tinham terminado bobamente. Mas a cada passo ela se convencia que ele estava arrependido. Sorriu para a secretária, elogiou o cabelo de uma colega e com o ar mais natural do mundo sentou-se pronta para pegar o cartão que estava no buquê. No meio do movimento, Cristina parou. "E se não forem pra mim?", "E se tiverem colocado na mesa errada?", afinal quantas vezes já não tinham trocado encomendas naquela empresa? Milhares. Ia ser péssimo ler o cartão de outra. Decidiu ignorar o cartão, as flores, tudo. Era só mais um dia normal e ponto final. Não aguentou. Abriu o envelope. Eram mesmo pra ela. Sim, eram dele. Uma única frase, preciso e econômico nas palavras como sempre, "o melhor dos sentimentos eu vivo com você". Guardou o bilhete. Ligou o computador. Era só mais um dia como outro qualquer, apesar das olhadas furtivas para aquelas flores que lhe faziam sorrir.

sexta-feira, 14 de agosto de 2009

Capítulo 262

Ouvimos falar tanto em liberdade mas qual o real sentido da palavra? De que adianta os meios de comunicação serem livres para falar o que bem quiserem se parte do público ainda não consegue ver mais nada além da notícia? Se parte do público ainda acredita que os grandes meios de comunicação só dizem a verdade nada mais que a verdade e que não há nenhum interesse por parte da mídia nisso? Enquanto o brasileiro for tão limitado e não souber explorar o conhecimento que o cerca e tiver discernimento ao ler uma notícia, a sociedade será sempre assim.. (desabafo no meio do expediente).

quarta-feira, 12 de agosto de 2009

Capítulo 261


terça-feira, 11 de agosto de 2009

Capítulo 260

A descoberta mais gostosa do final de semana: sashimi + nuggets = muito bom!!!

domingo, 9 de agosto de 2009

Capítulo 259

Por Juliana e Vanessa Portugal

Abriu os olhos. Virou-se para o lado direito da cama. Olhou o relógio. 7h14. 7h14?!!!!!! A merda do relógio não deve ter despertado, o que não seria nenhuma novidade. Ou seria ele que não havia programado o relógio? O que também não era nenhuma novidade. Já estava preparado para saltar da cama, quando se lembrou que era sábado. Era sábado e ele não trabalhava aos sábados. Ele não trabalha aos sábados, domingos e feriados. Deitou novamente. Não conseguia mais dormir. Observou as paredes do quarto. Diversos riscos que denunciavam o vencimento da pintura. Decidiu que no próximo feriado pintaria o quarto. Se animou e fechou que pintaria não só o quarto como também o resto do apartamento. E ainda, usaria a atividade como desculpa para fugir de uma viagem à praia. Tinha pa-vor de congestionamentos na estrada, sem contar as horas para encontrar um lugar na areia, fila em tudo que é canto. Tsc, tsc, péssima ideia! Aliás, para ele, péssimas ideias vinham sempre da namorada. Foi ela quem deu a ideia e a própria samambaia que fica na sala. Dizia com ares pseudo-esotéricos que o apartamento precisava de vida. Ele nunca entendeu isso. Ele já não morava lá? E ela? Não estava sempre por lá? Pra que mais vida no apartamento ? Tem hora que mulher gosta de complicar. Só aceitou a planta depois de uma semi briga na qual o placar foi ele sem razão e ela fazendo bico e lágrimas nos olhos ainda no primeiro round. Ela jurou que a samambaia não daria trabalho nenhum. Mas deu. E para não vivenciar um segundo round de briga por causa da planta, a cada morte de uma, ia rapidamente em busca de uma substituta. Estava na terceira. Pensou em pedir um desconto na floricultura, um cartão de sócio, ou qualquer outro benefício que eles oferecessem tivessem por lá, afinal, em dois meses ele deixou por lá R$ 167,49, mas logo desistiu: porque "dessa vez eu pego o jeito", acreditava ele. Os amigos alertaram que ele estava cedendo rápido demais, e daqui a pouco viria cachorro, filhos e casamento. Não necessariamente nesta ordem. Então ele argumentou que se cedesse com a samambaia não surgiria cachorro, filhos e casamento. Mas lá no fundo tinha receio de não estar certo. Perdeu o sono. Não tinha mais sono. Abriu a janela. A cidade já ensaiava a movimentação habitual. Decidiu tomar café na padaria. No elevador, ele encontrou os vizinhos do 17.º, famosos pelos barracos no edifício. Toda vez que os via, ele pensava em como tinha uma vida agradável: um emprego que todo final de mês garantia um ótimo salário, um apartamento quitado, carro do ano, seu time campeão na Libertadores, churrasco com os amigos, e uma charmosa namorada... ah sim, e uma planta descabelada que dava vida ao seu apartamento. Foi então sentindo que levava uma vida medíocre. Começou ficar com inveja dos vizinhos barraqueiros. Da próxima vez eu entro no barraco, pensou. Depois negou o próprio pensamento, pois odeia brigas, tanto que muitas vezes acaba cedendo `as vontades dos outros... Sábado pacato e congelante, final de noite, baralho com os amigos publicitários-super-espertos da namorada. Domingo lasanha na casa da futura sogra (bota futura nisso). Segunda-feira. Ao chegar na sua mesa uma passagem para Londres, reunião no final da semana. Isso sempre acontecia! Às vezes tinha a sensação de não ser dono da sua própria vida. É, e talvez não fosse mesmo. Avisou a namorada, mãe, pai, irmão, e amigos. Talvez esta viagem fosse boa para ele dar um tempo, e quem saber fazer algumas mudanças vitais... A merda do relógio não deve ter despertado. Não conseguia mais dormir. Turbulência. Observou as paredes tremendo. Malas caindo do teto. Diversos riscos que denunciavam uma possível tragédia? Decidira que no próximo feriado pintaria o quarto a la Pollock. Queda. Tinha pa-vor. De repente deu-lhe vontade de se agarrar nas crinas da samambaia, e regá-la. Cuidar dela. Desta vez ele tinha certeza que ela viveria... Também sentiu vontade de casar, ter filhos... um cachorro, dois. Até um gato ele incluiria no pacote. Ele odiava gatos. Sentiu saudade do congestionamento (!!!) Lembrou do pacato e último final de semana na casa da sogra (?!), lembrou de quando era pequeno e da sua mãe dizendo pra não colocar o dedo na tomada, lembrou do pão-na-chapa da padaria da esquina, lembrou do perfume da namorada... Ele já não morava lá? E ela, não estava sempre por lá? Pra que mais vida no apartamento? De fundo a voz da aeromoça em prantos dizendo pra todos colocarem o cinto. Sinto muito! Dizia a senhorinha ao lado que apertava a sua mão com tamanha veracidade. A janela se abriu. Ele já estava preparado para saltar, porém já não sentia mais nada. Antes mesmo do feriado, percebia que o mar, agora tão próximo, ensaiava a movimentação habitual. Ele estava cedendo rápido demais. Lembrou da sensação de toda uma vida agradável, pacata talvez... mas medíocre, não isso nunca. O valor da vida foi tomando proporções imensas, que não lhe cabiam no corpo. Se pudesse dessa vez pediria à Deus um cartão de sócio com desconto. Me livra dessa vai. Quando se lembrou que era sábado. Era sábado e Ele não trabalhava aos sábados. Ele não trabalha aos sábados, domingos e feriados. Deitou novamente. Virou-se para o lado direito da cama. Olhou o relógio. 7h14! 7h14??!!! A merda do relógio não havia despertado.

Capítulo 258

Com certeza vocês já devem ter ouvido falar muito de Sofie Calle, a francesa que levou um fora do namorado por um e-mail confuso no qual ele terminava com um "cuide de você". Ela teve a brilhante ideia de mostrar o e-mail para 107 mulheres de diferentes áreas para que comentassem. Enfim, resumindo, é basicamente isso. Já tinha uma opinião formada sobre o assunto e ao visitar a exposição só puder comprovar, Sophie é .... ridícula! Como assim, ela precisou de 107 mulheres dizendo que bem, ele não te quer, logo é um idiota, e ainda por cima, terminou por e-mail e vc, querida Sophie, merece muito mais. Na boa, tudo o que ele escreveu não tem a menor importância. Porra, vai falar o que pra alguém que vc se relaciona e um dia te avisa que quer ir embora? Ainda bem que ela não tinha o que responder. O ser humano é engraçado, só quando ouve um não precisa de argumentos e explicações. Já ouviu um sim na vida e ficou pedindo explicações? ("O sr. foi promovido", "eu, mas por que eu?, me dê uma, duas, três razões pra isso ter acontecido).
Sem querer menosprezar a ideia do trabalho (mas já o fazendo um pouco), a exposição tem ideias interessantes e divertidas, vale a pena ver e ainda de quebra dá pra treinar o francês. Se cuidem! :P

quarta-feira, 5 de agosto de 2009

Capítulo 257

Sabe esta fase pela qual o Corinthians está passando? A culpa é minha. Nunca pensei que uma torcedora pudesse ter tanta influência sobre os resultados de um time, mas um amigo me fez ver que sim, segundo a teoria dele (são-paulino, merece algum crédito?? :P), minha vida pessoal se refelete no time:

2007 - fim de namoro = série B

2008 - fim de namoro superado = volta à série A

2009 - novo namoro = Campeonato Paulista + Copa do Brasil = uma vaga na Libertadores.

05/08/209 -23h15 - O time empatou com o Avaí no final de semana (meu, quem é o Avaí??) e está perdendo (!!!!) do Náutico = não preciso nem dar detalhes da minha vida :P

Bom, este foi o jeito fofo de dizer "queridos torcedores do melhor time do mundo, a chance do Corinthians ganhar a Libertadores é zero." Mundial Interclubes então, ishhhhhii.. deixa pra lá!!!! Mas continuem torcendo pela volta do Gordo, quem sabe ele faz um milagre neste time, né não!!!

Capítulo 256


Alguém avisa o lindinho que é impossível ser feliz sozinho? Obrigada. Ah, avisa e passa pra ele o número do meu telefone. Obrigada de novo.

Capítulo 255

Nada hoje em dia é mais fácil do que mandar um e-mail. Nova mensagem e todo aquele santo processo. Agora, quer coisa mais difícil do que mandar um e-mail? Ok, há conteúdos e conteúdos. Mas às vezes clicar em enviar pode ser o mico da sua vida que vc terá vergonha de contar até pra melhor amiga. Ou então, pode ser o seu maior motivo de orgulho por algo. Mandar ou não mandar, eis a questão.. se os meus rascunhos de e-mail falassem...

Capítulo 254

O novo post vinha de uma conversa com um amigo que estava com o nick "love hurts" no msn. Não, ele não sofria por amor, era só uma menção à música que ele tinha ouvido. Mas foi o suficiente para criar toda uma discussão sobre o tema. Eu disse no começo que o texto vinha, porque ele não vem. Sorry, hehehe, não é má vontade minha, mas no meio do papo todos os computadores da redação apagaram e o post que vinha foi pro ralo. Para mostrar como eu sou muito legal, alguns dos pontos da conversa que estavam no texto; meu amigo defendia com unhas e dentes que a base para um relacionamento dar certo é a sorte. Sim, pura e simplesmente, sorte. Ok, homens. Às vezes tão práticos outras tão complicados. Depois falam das mulheres. "Sorte para estar no mesmo lugar que alguém, que vai ter os meus objetivos e assim as coisas vão dando certo". Bom, ele fala com base no relacionamento dele (seis anos de namoro com um pé no altar). E eu o que disse? NADA. Primeiro que não ia usar minha própria experiência, nem de nenhum casal de Grey´s Anatomy como exemplo, mas responsabilizar a sorte pelo sucesso de um relacionamento é demais, né? É isso então? Ou você tem sorte ou você está condenado a ficar sozinho? Oi, alguém pode concordar comigo ou me dizer ou se vende a tal sorte? :P

terça-feira, 4 de agosto de 2009

Capítulo 253

Estes dias tô no tuítes!!! http://twitter.com/JulianaPortugal