quarta-feira, 14 de outubro de 2009

Capítulo 307

Por que as mulheres continuam a adotar os sobrenomes de seus maridos quando se casam? Já é muito difícil de entender que minha avó materna tenha feito isso quando se casou com meu avô na década de 50 (eles ficaram casados por 44 anos.44! Se eu ficar 44 meses com alguém... deixa pra lá, voltando pra questão dos nomes). Antigamente tinha um único significado, a moça não era mais propriedade do pai mas sim, do marido. Porém, e hoje? Por que as pessoas ainda fazem isso? Deve dar um mega trabalho. Pensa só. Primeiro, você vira outra pessoa. Dificilmente alguém vai te encontrar pelo nome de solteira (olha, achei um ponto legal nesta história). Segundo, a parte burocrática: mudar no cartório e em todos os seus documentos. Peloamor, já tenho pavor de perder meu RG por aí e ter de encarar aquelas filinhas básicas do Poupatempo (que nada poupam), que dirá ir atrás de todos os outros. Terceiro: não tem terceiro, hehhehe. Já acho tão bizarro precisar assinar uma papelada e ter testemunhas num casamento, ainda ter de trocar o sobrenome? Não dá, né? Nem que se tratasse de Ruffalo, Santoro, Dempsey, humm.. Dempsey é bom, Juliana Dempsey, eu posso até dobrar um n pra ficar mais natural, Julianna Dempsey. Tá não combinou, ou combinou? Fiquei na dúvida.

sexta-feira, 9 de outubro de 2009

Capítulo 306

Há música que nasceu só tem uma função: grudar na nossa cabeça pra nunca mais sair. Aí entra a famosa tática de pensar, cantar, gritar uma outra só pra que a música-chiclete nos largue.Vale até oração nessas horas. Com o mundo tão moderno, com tantas tecnologias, agora são os toques de celular que vieram para invadir e se instalar nos nossos ouvidos. Não vou falar dos mais originais e engraçados porque cada um deve ter um milhão de exemplos. O foco é aquele toque bizarro que está nas opções do aparelho e que você tem CERTEZA que NINGUÉM vai escolher, porém alguém escolheu. Tem um em especial, (É uma pena eu não ter a menor paciência para procurar o dito cujo, sério, vocês concordariam comigo) que se encaixa perfeitamente nesta situação. Até pouco tempo achava que só um ex-namorado tivesse esse toque, entretanto, ouvi a péssima musiquinha três vezes só esta semana, metrô, praça de alimentação e mercado. Cara, na primeira vez até achei que ia rolar um encontro do nada com meu ex. Mas não era ele no mesmo vagão de metrô. Era só o toque bizarro do celular dele se espalhando. Detalhe, o argumento que eu tinha pra que ele mudasse foi por água abaixo "só vc usa esse toque". Não, estava errada, uma parcela da população, ainda que pequena, mas que frequenta os mesmos lugares que eu, usa. Bom, pra quem tem um toque bizarro e não vai mudar, que deixe no modo silencioso, pelo menos, né?? :P

quinta-feira, 8 de outubro de 2009

Capítulo 305

Quando você começa a programar as férias a constatação mais triste é perceber que nunca mas NUNCA mesmo você terá a chance de conhecer todos os lugares do mundo. Tudo por um simples motivo: você não tem grana pra nada! É, você trabalha, camela horas e horas dias e dias para um dia se dar conta que viajar o mundo não será possível. Devia ter escolhido uma profissão que eu viajasse a maior parte do tempo, não uma que ficasse plantada e com cor de escritório. Sabe, tipo presidente, sério, vocês teriam muito orgulho de mim, porque eu consigo ser legal de vez em quando. De vez em quando mas não abusa. Voltando pra minha irritação de um mundo ridículo-capitalista-por-que-eu-sou-pobre, o que mais me deixa inconformada é ver essas ridículas (pronuncia-se rrídícula, assim mesmo pra dar o efeito) se auto denominam "atriz, modelo, manequim e agora jornalistas", (por que não) que posam peladas, ganham uma puta grana (que eu não tô com a menor energia de fazer a conta de quanto tempo teria que trabalhar pra consegui juntar o mesmo montante) e pra não serem chamadas de vadias (só me veio essa palavra a cabeça, sorry) adotam o discurso "fiz só pelo dinheiro, para comprar um apartamento". Minha nega, se você tá vendendo o seu corpinho, que na real não é grande coisa porque vai precisar de uns retoques super básicos no photoshop, faça direito. Venda mas venda pra nunca mais precisar conjugar o verbo trabalhar e não por menos de R$ 500 mil. Pronto, desabafei, odeio dinheiro. Ou melhor dizendo, não tê-lo.

quarta-feira, 7 de outubro de 2009

Capítulo 304

Dias como o de hoje são dias típicos que representam a vida: começam com o sol forte, aberto, daqueles que nenhuma nuvem se arrisca a chegar perto. De repente, quando por um segundo você se distraiu, lá se foi o sol. Você perdeu um promissor dia de verão em plena primavera que agora mais tem cara de tarde de outono. Você ficou sozinha com seu vestido de verão. Dentro de você deve ser um inverno permanente.


domingo, 4 de outubro de 2009

Capítulo 303

Travei uma mini discussão animada (com 140 caracteres) animada pelo twitter com um colega sobre a notícia que as mulheres se interessam mais por homens comprometidos. Uma observação, quem faz essas pesquisas tem um tempo livre do cão, né?? Ou então, tem a maior cara de pau do planeta pra levar assuntos tão bobinhos às vezes pro centro de um debate. Bom, funcionou. Até acredito na argumentação da pesquisa pra isso mas eu, particularmente, discordo. Todo esse assunto só me fez pensar o quanto é cômodo ser homem. Sério, primeiro que com milhares de mulheres dando sopa por aí (não vou entrar no quesito qualidade) só fica sozinho quem quer. Como se não bastasse a oferta feminina ser superior a masculina, a mulherada não se importa em partir pro ataque. E o que resta para os nossos pobres homens do século 21? Bom, eles estão tomando o nosso lugar, ficam na dúvida, fazem doce, se tornam indecisos, verdadeiras garotas (adolescentes, ainda por cima). Hoje, os homens é que são complicados...

sexta-feira, 2 de outubro de 2009

Capítulo 302

Quando a sexta está quase no finalzinho e o final de semana começa a dar as caras é que dá tempo de pensar na vida pessoal. O que, neste momento, é ótimo ter essa falta de tempo, é até estratégico. É aí que você percebe que há longos dois dias pela frente e o que fazer? Ok, na maior capital do País essa questão não é o xis da questão. O problema maior é a companhia e aí mais uma vez você gasta um tempo precioso pensando como é difícil manter uma relação (seja ela qual for, mas estamos falando de relacionamento amorosos). Olhar, gostar, sentir um frio na barriga, as ideias baterem, rolar atração, o beijo ser bom, o sexo melhor ainda, controlar o ciúmes, não deixar o trabalho atrapalhar, nem o passado, torcer pra que a família dele seja bacana e goste de vc e a sua em relação à ele também. Ufa, a lista nem acabou. Sério, dava pra estourar todos os limites de caracteres do blog só com quem é preciso para uma relação dar certo. Aí, dá uma preguiça enorme porque é muito bom ser solteiro (mas cansa) e no fim das contas, por mais itens que a lista tenha, quando se quer mesmo não há empecilho.

Mas se você chegou num ponto e descobriu que não quer mais, veja este vídeo:




O vídeo é uma brincadeira claro, porém, acrescento alguns pontos: não é nada legal terminar um namoro usando os recursos moderninhos de hoje: msn, sms, twitter, orkut, e-mail, facebook, nem o bom e velho telefone. Faltou algum?

quinta-feira, 1 de outubro de 2009

Capítulo 301

Uma das músicas mais fofinhas da minha infância, numa nova versão.