quinta-feira, 23 de outubro de 2014

Capítulo 345

Política e relacionamento têm tudo a ver. Um mês e meio para o primeiro turno e Aécio não era nem cogitado para um eventual segundo turno. Era o cara com o qual a garota nem sonha em sair, apesar de saber do interesse dele. Convenhamos, parecia em cima do mundo, não dava muita certeza se queria estar ali ou não, passou indecisão perdeu para os concorrentes.

Na semana da eleição do primeiro turno, Aécio teve um ponto a favor: uma das últimas pesquisas divulgadas mostrava o crescimento do candidato. A pesquisa, no caso, é aquela amiga que fala “ah, por que não dá uma chance pra ele?” Sempre tem uma boa alma metida a ser cupido, ainda que torto, mas sempre tem.

Último debate. Aécio firme, com vontade, respostas prontas e preparado. Aqui não precisa traduzir muito, né? Atitude e se mostrar confiante contam sempre a favor. PS. Confiante e não arrogante. Nunca confundam.

Véspera do segundo turno. Aécio é incrível. É a mudança, família perfeita, neto de Tancredo, é o bom moço que vai salvar o Brasil. Nesse estágio, já rolou tudo: o casal já saiu, já transou e foi incrível. Tudo o que o outro faz e fala é engraçado, nunca é demais estar junto. Típico começo de relação. Não há espaço para defeitos, o que é muito bom. Ninguém precisa escancarar que às vezes acorda de mau humor; que fica inacessível assistindo jogo de futebol ou insuportável na tpm.  

Numa eventual vitória de Aécio. Como em toda posse, fica claro que nem toda promessa será fácil de implantar e mudanças nem sempre são bem-vindas. Há um misto de euforia pela conquista e o desespero ao se deparar com tantos problemas. Depois do “na alegria e na tristeza; na saúde e na doença”; o casal percebe que a vida de comercial de margarina só existe no comercial de margarina. Aqueles primeiros meses são de adaptação e muita paciência na convivência. Um misto de lua-de-mel e de filme de terror.

Viagens internacionais, falta de apoio no Congresso, diálogo truncado com alguns governos estaduais, muito a se fazer com pouca verba e pouco tempo: problemas que todo presidente enfrenta (o primeiro não vale pro FHC. Piada, gente !!) Estresse, trânsito, hora extra no trabalho, contas e rotina. São muitos os pontos a se contornar na vida a dois também.

Depois dos primeiros dezoito meses é possível fazer uma análise realista do governo, pra onde vai (se é que vai) e como anda. Aqui, você já sabe todas as manias, como lidar na alegria e na raiva e, se as pessoas não estivessem em constante transformação, seria possível dizer que você conhece o outro como a palma da mão. Se chegou até aqui grandes chances do saldo ser positivo.

Seja quem for o eleito neste domingo que seja um casamento de muita alegria para o Brasil. São os meus sinceros votos.




Nenhum comentário: